sistema-de-recompensa-alimentar-voce-sabe-como-funciona-blog-nutrify

Sistema de recompensa alimentar: você sabe como funciona?

Você já deve ter se perguntado o porquê dos indivíduos com obesidade muitas vezes sentirem mais fome do que indivíduos que possuem uma rotina de alimentação saudável. A resposta é bem complexa e envolve os mecanismos de recompensa alimentar, que nos dá a sensação de fome ou saciedade.

A obesidade está diretamente relacionada com o excesso alimentar, principalmente pela busca de alimentos com maior palatabilidade e densidade energética, como os fast foods. Muito além de uma questão estética, a obesidade é uma doença e fator de risco para diversas outras patologias 1,2

Em nosso corpo, podemos elucidar dois tipos de sistemas de recompensa: o fisiológico, que busca manter a homeostase energética e que inclui os hormônios da fome e da saciedade, como insulina, leptina e grelina, além dos neuropeptídeos anorexígenos e orexígenos, os quais atuam em nosso cérebro, controlando o apetite, e assim, a homeostase energética, e o sistema  não homeostático, mais conhecido como sistema de recompensa hedônico, que nos dá a sensação de prazer alimentar, e se relaciona aos aspectos do alimento, como sua cor, cheiro, textura e forma, e a vontade de comê-lo 3-9.

Você provavelmente nunca viu alguém ter compulsão por alface, ou por cenoura ou por chia. O que eu quero dizer é que alimentos pouco saborosos não são consumidos em excesso, enquanto alimentos com maior palatabilidade (ricos em açúcar e gordura), como os fast foods, são. O consumo desses alimentos muitas vezes vai além do que o organismo necessita (necessidade energética)10-16.

Isso ocorre porque alimentos como os fast foods alteram as respostas do apetite, a fim de aumentar o seu consumo, além de ativar o sistema de recompensa cerebral, promovendo um maior incentivo na busca e/ou obtenção desses alimentos 17,18. Ou seja, comer um alimento de maior palatabilidade pode te deixar menos saciado após a refeição e com maior desejo de comer mais, ou comê-lo novamente, mesmo você já tendo suprido a sua necessidade energética.

Composição do sistema de recompensa

         O sistema de recompensa alimentar é composto por três componentes:

         O componente hedônico (liking), a motivação / incentivo (wanting) e a aprendizagem (learning)19.

  •       Hedônico (liking): representa, por exemplo, a antecipação do prazer que um indivíduo tem em comer um alimento de elevada palatabilidade.
  •       Motivação (wanting): ocasionada pelos sinais de recompensa que o indivíduo tem em comer um alimento, levando-o a buscar mais alimentos de alta palatabilidade e densidade calórica.
  •       Aprendizado (learning): significa o indivíduo repetir o ato, até ficar habitual sua busca por esses alimentos 20.

Obesos apresentam um aumento na vontade de comer alimentos de maior palatabilidade e densidade energética, mesmo não sentindo fome, e ainda podem apresentar um aumento na vontade de comer, com a diminuição da sensação de prazer alimentar após as refeições, representando uma resposta prejudicada do sistema de recompensa alimentar, o que muitas vezes justifica  o fato de comerem além de suas necessidades 21.

Pode até parecer um certo tipo de gula, mas, na verdade,  o cérebro dos obesos está ´´pedindo´´ aqueles alimentos, ao mesmo tempo que quando consumidos, o cérebro ´´nega´´ a sensação de prazer vinda desse consumo, fazendo com que ele coma mais para ter essa recompensa ou compensação do ´´prazer´´.

Diversos hormônios e mensageiros neuroquímicos parecem estar envolvidos nesses processos, como o GABA, a acetilcolina, serotonina, encefalina e a Dopamina.

A dopamina é um neurotransmissor relacionado ao desejo e prazer. Quando há oferta de alimentos, ocorre o aumento da liberação de dopamina, que atua, em parte, no sistema de recompensa.  A dopamina, quando atua em seus receptores, auxilia no aprendizado através da recompensa, ou seja, ensinando o cérebro que aquele alimento traz a sensação de prazer. Ainda, quando há o consumo de alimentos de alta palatabilidade ocorre a liberação de dopamina, que está intimamente ligada também ao nível de prazer obtido com aquele alimento, porém, nos obesos, ocorre uma menor sinalização da dopamina, uma vez que esses indivíduos possuem uma menor liberação de dopamina que o normal, assim como a diminuição do número de receptores, prejudicando o sistema de recompensa alimentar, fazendo com que eles aumentem a ingestão de alimentos em busca do prazer e da recompensa que não lhes foi gerada 22-24, 27

Uma outra curiosidade é que os obesos apresentam maior resposta dopaminérgica quando são mostradas imagens de alimentos, indicando que eles apresentam um aumento do desejo de consumir alimentos quando há oferta e menor sensação de prazer ao ingeri-los 25, 26.

Considerações finais

Quando comemos alimentos de maior densidade calórica e mais palatáveis, ocorre a secreção de dopamina por diferentes regiões responsáveis pela recompensa, e pelo incentivo no sistema nervoso central. Por esse motivo, comer alimentos de maior densidade energética e maior palatabilidade, como os fast foods, faz com que o cérebro reforce a procura desse tipo de alimento, tornando mais difícil a adesão a uma dieta saudável. O mau hábito também irá incentivar o aumento do consumo desses alimentos (desejo), uma vez que indivíduos já sensibilizados apresentam mais fome e menor sensação de saciedade, reforçando ainda mais a busca por alimentos que os dê maior sensação de prazer 27,28.

Referências bibliográficas

  1. Do Carmo I, Santos O, dos Santos CJ, Vieira J. A Obesidade em Portugal e no Mundo. Faculdade de Medicina de Lisboa; 2009
  1.   Bray GA. Medical consequences of obesity. J Clin Endocrinol Metab. 2004;89(6):2583–9.
  2.   Morton G, Cummings D, Baskin D, Barsh G, Schwartz M. Central nervous system control of food intake and body weight. Nature. 2006;443(7109):289–95.
  3.   Lutter M, Nestler EJ. Homeostatic and hedonic signals interact in the regulation of food intake. J Nutr. 2009;139(3):629–32.
  4.   Egecioglu E, Skibicka K, Hansson C, AlvarezCrespo M, Friberg P, Jerlhag E, et al. Hedonic and incentive signals for body weight control. Rev Endocr Metab Disord. 2011;12(3):141–51.
  5.   Saper CB, Chou TC, Elmquist JK. The need to feed: Homeostatic and hedonic control of eating. Neuron. 2002;36(2):199–211.
  6.   Berthoud HR. Neural control of appetite: Crosstalk between homeostatic and non-homeostatic systems. Appetite. 2004;43(3):315–7.
  7.   Berthoud HR. Homeostatic and non-homeostatic pathways involved in the control of food intake and energy balance. Obesity. 2006;14:197S–200S.
  8.   Kenny PJ. Reward mechanisms in obesity: New insights and future directions. Neuron. 2011;69(4):664–79.
  9. Lin S, Storlien LH, Huang X-F. Leptin receptor, NPY, POMC mRNA expression in the diet-induced obese mouse brain. Brain Res. 2000;875(1–2):89–95.
  10. Huang X-F, Han M, South T, Storlien L. Altered levels of POMC, AgRP and MC4-R mRNA expression in the hypothalamus and other parts of the limbic system of mice prone or resistant to chronic high-energy dietinduced obesity. Brain Res. 2003;992(1):9–19.
  11. Huang XF, Xin X, McLennan P, Storlien L. Role of fat amount and type in ameliorating dietinduced obesity: Insights at the level of hypothalamic arcu-ate nucleus leptin receptor, neuropeptide Y and proopiomelanocortin mRNA expression. Diabetes Obes Metab. 2004;6(1):35–44.
  12. Kaga T, Inui A, Okita M, Asakawa A, Ueno N, Kasuga M, et al. Modest overexpres-sion of neuropeptide Y in the brain leads to obesity after high-sucrose feeding. Diabetes. 2001;50(5):1206–10.
  13. Giraudo SQ, Kotz CM, Grace MK, Levine AS, Billington CJ. Rat hypothalamic NPY mRNA and brown fat uncoupling protein mRNA after high-carbohydrate or high-fat diets. American Journal of PhysiologyRegulatory, Integrative and Comparative Physiology. 1994;266(5):R1578–83.
  14. Covasa M, Grahn J, Ritter RC. High fat maintenance diet attenuates hindbrain neuronal response to CCK. Regul Pept. 2000;86(1–3):83–8.
  15. Erlanson-Albertsson C. How palatable food disrupts appetite regulation. Basic Clin Pharmacol Toxicol. 2005;97(2):61–73.
  16. Sclafani A, Ackroff K. Reinforcement value of sucrose measured by progressive ratio operant licking in the rat. Physiol Behav. 2003;79(4):663–70.
  17. Sclafani A. Oral and postoral determinants of food reward. Physiol Behav. 2004;81(5):773–9.
  18. Crow JM. Obesity: Insensitive issue. Nature. 2012;486(7403):S12–3.
  19. Berridge KC. ‘Liking’and ‘wanting’ food rewards: Brain substrates and roles in eating disorders. Physiol Behav. 2009;97(5):537–50.
  20. Havermans RC. You say it’s liking, say it’s wanting on the difficulty of disen-tangling food reward in man. Appetite. 2011;57(1):286–94.
  21. Small DM, Jones-Gotman M, Dagher A. Feeding-induced dopamine release in dorsal striatum correlates with meal pleasantness ratings in healthy human volunteers. Neuroimage. 2003;19(4):1709–15.
  22. Wang GJ, Volkow ND, Logan J, Pappas NR, Wong CT, Zhu W, et al. Brain dopa-mine and obesity. Lancet. 2001;357(9253):354–7.
  23. Volkow ND, Wang GJ, Telang F, Fowler JS, Thanos PK, Logan J, et al. Low dopa-mine striatal D2 receptors are associated with prefrontal metabolism in obese subjects: Possible contributing factors. Neuroimage. 2008;42(4):1537–43.
  24. Rothemund Y, Preuschhof C, Bohner G, Bauknecht HC, Klingebiel R, Flor H, et al. Differential activation of the dorsal striatum by highcalorie visual food stimuli in obese individuals. Neuroimage. 2007;37(2):410–21.
  25. Stoeckel LE, Weller RE, Cook III EW, Twieg DB, Knowlton RC, Cox JE. Widespread reward-system activation in obese women in response to pictures of highcalorie foods. Neuroimage. 2008;41(2):636–47.
  26. Stice E, Yokum S, Bohon C, Marti N, Smolen A. Reward circuitry responsivity to food predicts future increases in body mass: Moderating effects of DRD2 and DRD4. Neuroimage. 2010;50(4):1618–25.
  27. le Merrer J, Becker JAJ, Befort K, Kieffer BL. Reward processing by the opioid system in the brain. Physiol Rev. 2009;89(4):1379–412.
Rolar para cima