Entender sobre as substâncias que o nosso corpo produz e necessita é essencial para uma rotina de hábitos saudáveis. Uma dessas substâncias é a glutamina, um aminoácido não essencial. Entenda o que é a glutamina, para que ela serve e quais são os benefícios que essa substância pode trazer para sua saúde e seu corpo. Continue a leitura do Blog Nutrify e esclareça todas as suas dúvidas sobre a glutamina.

O que é Glutamina?

A glutamina é um aminoácido encontrado de forma abundante no corpo dos mamíferos e corresponde a 60% do pool total de aminoácidos livres. A glutamina tem papel fundamental no transporte de nitrogênio, carbono e energia entre os tecidos. Também é um precursor da glutationa, um poderoso antioxidante que nosso corpo é capaz de produzir. 

A glutamina é reconhecida como um aminoácido não essencial, o que quer dizer que nosso corpo o produz. Mas em condições especiais como patologias e atividades físicas intensas, a glutamina se torna um aminoácido condicionalmente essencial, ou seja, nestas situações a demanda é maior que a capacidade de produção. Este aminoácido atua como uma fonte de combustível para certas células imunológicas como os linfócitos e macrófagos e pode ter um efeito especial no sistema imunológico.

Para que serve a Glutamina?

Apesar de ser um aminoácido não essencial, em algumas condições específicas tem sido cada vez mais considerada essencial a sua suplementação. Nos casos de patologias como queimaduras, estresse, trauma, exercícios intensos e infecções, a suplementação com glutamina tem se mostrado eficaz. Muitos estudos estão sendo realizados para elucidar o seu mecanismo de ação. 

Nestas situações a demanda de glutamina pelo organismo aumenta, e se não houver suplementação a tempo e adequadamente, o seu nível plasmático pode diminuir. Com isso, quando há esse esgotamento podem ocorrer lesões graves e desnutrição de tecido. Embora haja controvérsias na sua utilização em pacientes graves, muitos dados clínicos mostram que a suplementação pode melhorar o prognóstico dos pacientes.

Yong-jun et al (2020), verificou em seu estudo os efeitos da glutamina nas reações hipermetabólicas em ratos queimados. No estudo foram incluídos 55 ratos onde foram divididos aleatoriamente em três grupos, o controle, queimado e grupo queimado + glutamina. Os ratos no grupo de tratamento com glutamina foram suplementados com 1 g de glutamina por kg de peso corporal. Mudanças no peso corporal e no gasto energético de repouso em todos os grupos foram observadas diariamente. Observaram que a reação hipermetabólica após a queimadura foi consideravelmente inibida pela administração de glutamina. 

A glutamina pode aumentar a atividade da glutaminase em vários tecidos, promover a utilização da glutamina, além de reduzir adequadamente o grau de dano ao órgão e da resposta inflamatória. Neste estudo, concluíram que a administração de glutamina reduz as reações hipermetabólicas inibindo o estresse oxidativo e melhorando a utilização da glutamina após a queimadura.

A glutamina também tem sido associada a muitas funções fisiológicas no corpo, os seus benefícios estão associados às funções imunológicas. A suplementação de glutamina está associada a um potencial antioxidante intracelular reduzindo o dano celular. 

Quais são os benefícios da Glutamina?

Muitos benefícios estão associados com o uso da glutamina como a redução da dor muscular, melhora da performance, promoção de massa muscular, atuação na integridade da barreira intestinal e o fornecimento de  energia para células de defesa como os linfócitos e os macrófagos. 

A glutamina tem papel fundamental na proliferação de células intestinais, suporte ao sistema imunológico, aumento da produção de glicogênio e efeitos anticatabólicos. A substância atua como fonte de energia e alimento para as células do intestino. Quando o corpo sofre queimaduras e feridas graves é muito importante que haja quantidades suficientes de glutamina para atuar no sistema imune para que não ocorra prejuízos à saúde, como translocação de bactérias patogênicas do intestino para corrente sanguínea.

A glutamina possui a capacidade de auxiliar na formação de outros aminoácidos, atuando na síntese de proteínas que exerce uma série de funções no organismo.

A Glutamina engorda?

A glutamina não engorda, é importante receber orientação de um profissional para adequar as quantidades de acordo com as necessidades individuais. A glutamina ao ser transportada para dentro da célula promove a absorção de água, aumentando a hidratação das células e seu volume. Há hipótese de que esse mecanismo atua na síntese de proteínas. O ganho de massa muscular pode representar uma diferença de peso na balança, mas ganhar massa muscular e reduzir o tecido adiposo estão associados a benefícios à saúde.

Como tomar Glutamina, como ela é encontrada?

A glutamina pode ser encontrada em pó, sachês ou cápsulas. O pó pode ser adicionado a água filtrada, chás e sucos. Geralmente as doses são de 5g podendo variar de acordo com as necessidades individuais. Pode ser ingerida antes do café da manhã, antes do treino ou antes de dormir. As cápsulas podem ser ingeridas na mesma frequência da glutamina em pó. Mas é aconselhável procurar um profissional para se certificar da quantidade ideal da substância para o seu organismo.

Pode misturar a Glutamina com outros suplementos? Ela tem sabor?

Sim, é possível essa mistura desde que seja realizada uma avaliação por um profissional da área para verificar as necessidades dessa combinação. Geralmente a glutamina não possui sabor, podendo ser adicionada a sucos e chás, mas algumas marcas de suplemento adicionam. Para obter um bom resultado com a utilização da glutamina é importante destacar que é necessário uma combinação de fatores, como hábitos saudáveis e uma alimentação equilibrada em nutrientes, vitaminas e minerais e ter um bom sono e descanso, todos esses fatores devem ser considerados para otimizar a função da glutamina no organismo e obter um bom equilíbrio homeostático.

Quem pode consumir e quem não pode consumir a Glutamina?

Referências bibliográficas

Yong-jun Y. M. S et al. investigationEffectiveness and mechanism study of glutamine on alleviatinghypermetabolism in burned ratsYong.Nutrition.  v.79, 2020.

Santiago. L. T et al Does oral glutamine improve insulin sensitivity in adolescents with type 1 diabetes? Journals & Books. V. 34, p. 1-6, 2017.

LingYeh. S. et al. Chapter 25 – Glutamine and its antioxidative potentials in diabetes. Journals & Books. P, 255-264, 2020.

Ahmadi.A. R. et al. The effect of glutamine supplementation on athletic performance, body composition, and immune function: A systematic review and a meta-analysis of clinical trials. v. 38, n 3, p. 1076-1091, 2019.

NOVELLI, MSuplementação de Glutamina Aplicada à Atividade Física. R. bras. Ci. e Mov. v.15, n 1, p.: 109-117. 2007.

Petry.E.R. et al. Oral glutamine supplementation attenuates inflammation and oxidative stress-mediated skeletal muscle protein content degradation in immobilized rats: Role of 70 kDa heat shock protein. Free Radical Biology and Medicine. V. 145, p. 87-102, 2019.