Relação entre Microbiota e Cândida | Blog Nutrify

Relação entre Microbiota e Cândida [2022]

A comunidade de microrganismos que vivem no interior ou na superfície externa do corpo humano forma a microbiota humana, e sua constituição genômica é chamada de microbioma humano. A microbiota humana, geralmente, envolve simbiontes que se beneficiam do hospedeiro¹ que desenvolve e mantém sua estabilidade e diversidade temporal durante a idade adulta até a morte². Assim, por sua vez, essa relação pode não afetar (comensalismo), pode afetar positivamente (mutualidade) e pode também afetar negativamente (patogênica) o funcionamento, a imunidade e a nutrição do hospedeiro¹.

A coleção de micróbios que colonizam o trato gastrointestinal é denominada microbiota intestinal e é composta por bactérias, arqueas, micróbios eucarióticos e vírus³. Embora a microbiota intestinal seja dinâmica, ela desempenha algumas funções básicas no sistema imunológico, metabólico, paisagens estruturais e neurológicas do corpo humano, exercendo também uma influência significativa na saúde física e mental de um indivíduo².

A microbiota intestinal possui a capacidade de realizar muitos processos que não podem ser realizados pelo hospedeiro. Esses processos podem dar origem a metabólitos, modulados ou produzidos microbianamente, que funcionam como substratos metabólicos e moléculas de sinalização no hospedeiro, com importantes implicações para o metabolismo e a saúde do hospedeiro4.

A microbiota intestinal desempenha papéis importantes na nutrição (degradando os componentes da dieta que, de outra forma, passariam pelo trato gastrointestinal não digeridos), no desenvolvimento e manutenção imunológica do hospedeiro e na proteção do hospedeiro contra micróbios patogênicos, incluindo C. albicans³. O equilíbrio entre microrganismos hospedeiros saudáveis ​​deve ser respeitado para manter a barreira intestinal e as funções do sistema imunológico de forma ideal e, consequentemente, prevenir o desenvolvimento de doenças5.

Relação entre Microbiota e Cândida | Blog Nutrify

Para evitar o super crescimento microbiano nas barreiras epiteliais e a invasão microbiana dos tecidos, o hospedeiro examina ativamente e protege suas superfícies de barreira por meio de dois ramos distintos, complementares e cooperantes, do sistema imunológico: imunidade inata e adaptativa. Em que, além de se comportar como a primeira linha de defesa do organismo, formando uma barreira física, as células epiteliais contribuem também para a resposta do hospedeiro por meio do reconhecimento ativo de micróbios e da avaliação de seu potencial patogênico³.

Os patógenos fúngicos possuem um grande impacto global na saúde humana. As estimativas sugerem que, a qualquer momento, mais de um quarto da população mundial terá uma infecção fúngica de pele, que 75% das mulheres sofrerão pelo menos um episódio de candidíase vulvovaginal durante a vida e que mais de um milhão de pessoas morrerão a cada ano de uma infecção fúngica invasiva³.

Existem fungos no trato gastrointestinal de todas as pessoas saudáveis​​, onde eles podem afetar o sistema imunológico e produzir metabólitos secundários que influenciam a saúde. Os fungos habitam a superfície da mucosa para manter a homeostase intestinal e a imunidade sistêmica6. Há evidências que sugerem que esses fungos intestinais desempenham um papel importante na imunidade e na inflamação do hospedeiro6. No entanto, fungos no trato gastrointestinal foram associados a inúmeras doenças e também podem contribuir para milhões de infecções fúngicas invasivas que ocorrem em indivíduos imunocomprometidos7

Os primeiros fungos detectados no intestino infantil foram as leveduras, especialmente espécies de Candida, presume-se que sejam transmitidos pela mãe, pois as espécies de Candida são habitantes comuns da pele e da mucosa vaginal, bem como do cólon8. A colonização fúngica no início da vida tem um impacto nos resultados de saúde dos bebês ao treinar seu sistema imunológico 6, tal colonização inicial é amplamente dependente do modo de parto: os bebês nascidos por via vaginal obtêm fungos que colonizam a vagina, enquanto os bebês nascidos por cesariana adquirem espécies de fungos que estão relacionadas à pele6.

O microbioma individual obtido durante o nascimento muda ao longo da vida, indicando a especificidade deste microbioma. Especificamente na vagina, a forte relação cooperativa dos micróbios com o hospedeiro fornece a primeira linha de defesa contra a migração de patógenos oportunistas. Esse equilíbrio saudável é conhecido como eubiose. No entanto, a superação de patógenos oportunistas, perturba esse equilíbrio simbiótico, conhecido como disbiose, que pode provocar uma inflamação¹.

Candida é um fungo prevalente da microbiota humana9, mais especificamente um tipo de levedura, que habita o intestino e coloniza a região perineal e pode ter repercussões locais (como candidíase vaginal, resultado de um desequilíbrio na microbiota vaginal que favorece a proliferação do fungo responsável pela infecção) ou sistêmicas10. Essa espécie coloniza de forma assintomática muitas áreas do corpo, particularmente os tratos gastrointestinal e geniturinário de indivíduos saudáveis9. Essa levedura possui importante função no equilíbrio da microbiota saudável, colonizando de forma assintomática o trato gastrointestinal (GI), o trato reprodutivo, a cavidade oral e a pele da maioria dos humanos.

As espécies de Candida estão entre os principais exterminadores de fungos³. A maioria dos indivíduos carrega espécies de Candida como comensais em sua microbiota intestinal10. Mais de 15 espécies distintas de candida podem causar doenças, e os patógenos mais comuns são C. albicans, C. glabrata e C. tropicalis11. A espécie Candida albicans é responsável pela maioria dos episódios de candidíase e nos casos de reincidência é muito comum encontrarmos a presença da Candida glabrata.

A biologia, epidemiologia, patogenicidade e imunologia de C. albicans foram estudadas em maior profundidade do que para qualquer outro patógeno fúngico. Essa ênfase proporcionou um conhecimento basilar consistente e uma plataforma forte para estudos das relações entre o patógeno fúngico, a imunidade do hospedeiro e a microbiota local que estão no cerne da infecção fúngica³.

Relação entre Microbiota e Cândida | Blog Nutrify

 Em indivíduos com sistema imunológico saudável, C. albicans é frequentemente inofensiva, se mantida em equilíbrio com outros membros da microbiota local9. No entanto, em certas circunstâncias, C. albicans pode se tornar patogênica e causar doenças que variam de infecções superficiais comuns a infecções sistêmicas graves, sendo que em um hospedeiro saudável, o epitélio intestinal, juntamente com as células imunes da mucosa, constituem uma barreira estável que impede a translocação de C. albicans para a corrente sanguínea12. Quando há comprometimento do sistema imunológico local ou sistêmico, pode ocorrer crescimento excessivo de Candida, levando à infecção. Alterações na imunidade do hospedeiro, estresse, microbiota residente e outros fatores podem levar ao crescimento excessivo de C. albicans, causando uma ampla gama de infecções.

A anormalidade está justamente na proliferação desordenada que acarreta os sintomas da candidíase. A microbiota equilibrada e diversa, a secreção de peptídeos antimicrobianos (AMPs) e a atividade combinada dos sistemas, imune inato e adaptativo, agem para reduzir a carga durante os períodos de crescimento excessivo de fungos e restringem o fungo à morfologia comensal (levedura)12. No entanto, disfunções nesses mecanismos de proteção podem favorecer a translocação de C. albicans .

Estudos também relacionam o nível de estresse com a desestabilização da microbiota intestinal, favorecendo o aparecimento de tais fungos. O estresse pode afetar a microbiota intestinal, não apenas por meio do sistema imunológico, mas também leva a mudanças nos níveis de catecolaminas, que possuem um impacto significativo na microbiota intestinal. Além disso, o estresse afeta a recuperação de infecções, devido ao fato de que os microrganismos intestinais respondem a neurotransmissores e a outros mediadores relacionados ao estresse. É possível que o estresse mude o ambiente interno do trato gastrointestinal por meio de mecanismos imunológicos, neuroquímicos e físicos para torná-lo um espaço menos habitável para certos microrganismos, ainda que leve ao aumento de espécies mais patogênicas13. A alteração desse mecanismo em pessoas cronicamente estressadas prejudica a capacidade do organismo de montar uma forte resposta imunológica com um consequente aumento da morbidade. A exposição ao estresse agudo aumenta a secreção de mucina nos tratos digestivo e respiratório, o que deve aumentar a função de barreira mucosa, aumentando da taxa de infecção em indivíduos submetidos a estresse agudo14.

A capacidade de C. albicans de colonizar o intestino humano como uma comensal inofensiva, também é um aspecto vital de seu papel como patógena oportunista. Além de outras espécies de Candida, poucos patógenos exibem estratégias semelhantes de causar infecções em pacientes predispostos. A questão é que o C. albicans sempre tenta invadir o organismo de um hospedeiro saudável, mas a ausência de condições predisponentes não permite a invasão 10.

Considerações finais

A complexidade e o aspecto multifatorial das interações entre o fungo, o hospedeiro e a microbiota torna difícil compreender a mudança de comensal para patógeno. No entanto, um progresso significativo na compreensão dos dois estilos de vida diferentes de C. albicans, comensalismo e patogenicidade, foi feito por uma combinação de pesquisa experimental e clínica e observações, e metodologia aprimorada para estudar interações microbianas, metabólicas e imunológicas. Esperançosamente, esse maior conhecimento pode promover o desenvolvimento de estratégias destinadas a prevenir a candidíase de origem intestinal15.

Em suma, as interações entre C. albicans, o hospedeiro humano e a microbiota local exercem um grande impacto sobre a probabilidade de infecções mucosas e sistêmicas e a gravidade dessas infecções. Também é aparente que essas interações fungo-hospedeiro-microbiota são dinâmicas, interativas e enormemente complexas. Essa imensa complexidade é aumentada ainda mais pela variação genética e fenotípica dentro das espécies de C. albicans, e por numerosos fatores que contribuem para a variabilidade dos indivíduos e de suas microbiotas16.

Referências bibliográficas

1- Kalia N, Singh J, Kaur M. Microbiota in vaginal health and pathogenesis of recurrent vulvovaginal infections: a critical review. Ann Clin Microbiol Antimicrob. 2020 Jan 28;19(1):5. doi: 10.1186/s12941-020-0347-4. PMID: 31992328; PMCID: PMC6986042.

2- Adak A, Khan MR. An insight into gut microbiota and its functionalities. Cell Mol Life Sci. 2019 Feb;76(3):473-493. doi: 10.1007/s00018-018-2943-4. Epub 2018 Oct 13. PMID: 30317530.

3- d’Enfert C, Kaune AK, Alaban LR, Chakraborty S, Cole N, Delavy M, Kosmala D, Marsaux B, Fróis-Martins R, Morelli M, Rosati D, Valentine M, Xie Z, Emritloll Y, Warn PA, Bequet F, Bougnoux ME, Bornes S, Gresnigt MS, Hube B, Jacobsen ID, Legrand M, Leibundgut-Landmann S, Manichanh C, Munro CA, Netea MG, Queiroz K, Roget K, Thomas V, Thoral C, Van den Abbeele P, Walker AW, Brown AJP. The impact of the Fungus-Host-Microbiota interplay upon Candida albicans infections: current knowledge and new perspectives. FEMS Microbiol Rev. 2021 May 5;45(3):fuaa060. doi: 10.1093/femsre/fuaa060. PMID: 33232448; PMCID: PMC8100220.

4- Schoeler M, Caesar R. Dietary lipids, gut microbiota and lipid metabolism. Rev Endocr Metab Disord. 2019 Dec;20(4):461-472. doi: 10.1007/s11154-019-09512-0. PMID: 31707624; PMCID: PMC6938793.

5- Rinninella E, Cintoni M, Raoul P, Lopetuso LR, Scaldaferri F, Pulcini G, Miggiano GAD, Gasbarrini A, Mele MC. Food Components and Dietary Habits: Keys for a Healthy Gut Microbiota Composition. Nutrients. 2019 Oct 7;11(10):2393. doi: 10.3390/nu11102393. PMID: 31591348; PMCID: PMC6835969.

6- Zhang L, Zhan H, Xu W, Yan S, Ng SC. The role of gut mycobiome in health and diseases. Therap Adv Gastroenterol. 2021 Sep 23; 14:17562848211047130. doi: 10.1177/17562848211047130. PMID: 34589139; PMCID: PMC8474302.

7- Auchtung TA, Fofanova TY, Stewart CJ, et al. Investigando a Colonização do Trato Gastrointestinal de Adultos Saudáveis ​​por Fungos. mSphere. 2018; 3 (2): e00092-18. Publicado em 28 de março de 2018. doi: 10.1128 / mSphere.00092-18

8- Hallen-Adams HE, Suhr MJ. Fungi in the healthy human gastrointestinal tract. Virulence. 2017 Apr 3;8(3):352-358. doi: 10.1080/21505594.2016.1247140. Epub 2016 Oct 13. PMID: 27736307; PMCID: PMC5411236.

9- Nobile CJ, Johnson AD. Candida albicans Biofilms and Human Disease. Annu Rev Microbiol. 2015; 69:71-92. doi: 10.1146/annurev-micro-091014-104330. PMID: 26488273; PMCID: PMC4930275.

10- Kumamoto CA, Gresnigt MS, Hube B. The gut, the bad and the harmless: Candida albicans as a commensal and opportunistic pathogen in the intestine. Curr Opin Microbiol. 2020 Aug; 56:7-15. doi: 10.1016/j.mib.2020.05.006. Epub 2020 Jun 27. PMID: 32604030; PMCID: PMC7744392

11- Mohamed AA, Lu XL, Mounmin FA. Diagnóstico e tratamento da candidíase esofágica: atualizações atuais. Pode J Gastroenterol Hepatol. 2019; 2019: 3585136. Publicado em 20 de outubro de 2019. doi: 10.1155 / 2019/3585136

12- Allert S, Förster TM, Svensson CM, Richardson JP, Pawlik T, Hebecker B, Rudolphi S, Juraschitz M, Schaller M, Blagojevic M, Morschhäuser J, Figge MT, Jacobsen ID, Naglik JR, Kasper L, Mogavero S, Hube B. Candida albicans-Induced Epithelial Damage Mediates Translocation through Intestinal Barriers. mBio. 2018 Jun 5;9(3):e00915-18. doi: 10.1128/mBio.00915-18. PMID: 29871918; PMCID: PMC5989070.

13- Moloney RD, Johnson AC, O’Mahony SM, Dinan TG, Greenwood-Van Meerveld B, Cryan JF. The gut-brain axis and depressive symptoms: a systematic review of randomized clinical trials with probiotics. CNS Neurosci Ther . 2016; 22 (2): 102-117. doi: 10.1111 / cns.12490

14-  Dragoş D, Tănăsescu MD. The effect of stress on the defense systems. J Med Life. 2010 Jan-Mar;3(1):10-8. PMID: 20302192; PMCID: PMC3019042.

15- Miró MS, Rodríguez E, Vigezzi C, Icely PA, Gonzaga de Freitas Araújo M, Riera FO, Vargas L, Abiega C, Caeiro JP, Sotomayor CE. Candidiasis vulvovaginal: una antigua enfermedad con nuevos desafíos [Vulvovaginal candidiasis: An old disease with new challenges]. Rev Iberoam Micol. 2017 Apr-Jun;34(2):65-71. Spanish. doi: 10.1016/j.riam.2016.11.006. Epub 2017 Apr 18. PMID: 28431891

16- Kapitan M, Niemiec MJ, Steimle A, Frick JS, Jacobsen ID. Fungi as Part of the Microbiota and Interactions with Intestinal Bacteria. Curr Top Microbiol Immunol. 2019; 422:265-301. doi: 10.1007/82_2018_117. PMID: 30062595.

Rolar para cima