qual-e-a-diferenca-do-whey-protein-e-proteina-vegetal-blog-nutrify

Qual é a diferença do Whey Protein e Proteína Vegetal?

As proteínas são formadas através de um conjunto de aminoácidos e são ligadas através de ligações peptídicas e apresentam em sua composição moléculas de carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio.

Há 20 tipos de aminoácidos que combinam entre si formas diferentes e dão origem às proteínas com variadas funções. Dentre as diferentes funções das proteínas podem-se destacar as de enzimas, anticorpos, reparação de tecidos, renovação de células dentre outras. Elas são componentes muito importantes por desempenhar diversas funções no equilíbrio celular e homeostase de nosso corpo e seu valor nutricional dependerá de algumas características como a biodisponibilidade, alergenicidade entre outros fatores.

O que é Whey Protein?

Whey protein é uma proteína extraída do soro do leite, rica em aminoácidos essenciais e possui alto valor nutricional, sendo bem digerida e facilmente absorvida, contribuindo com um rápido aumento dos aminoácidos no sangue.

Consistem principalmente em α-lactoglobulina, β-lactoalbumina, albumina e imunoglobulinas e também os peptídeos bioativos em suas sequências que atuam como promotor da saúde. Esses peptídeos apresentam vários benefícios à saúde, incluindo controle de peso, antidiabético, redução do estresse oxidativo celular.

O Whey protein também contém os aminoácidos de cadeias ramificadas como  a leucina, isoleucina e valina que atuam na síntese de proteínas e como constituintes de proteínas musculares. Por esse motivo tem sido utilizado para idosos, pois melhora a imunidade e ajuda a manter o crescimento e a força muscular. Essa proteína é considerada completa por conter os aminoácidos essenciais que participam de diferentes funções no organismo, como reparação e construção de tecidos, enzimas que atuam na digestão e metabolização de nutrientes, construção de massa muscular, fatores imunológicos, importante para ganho de massa muscular; contribui para controle do sistema imunológico, promove saciedade, fortalecimento muscular e melhora no diabetes tipo 2. Estudos demonstram que a suplementação com a proteína do soro do leite em pacientes com diabetes do tipo 2 promove melhora no perfil lipídico e uma redução na glicose plasmática em jejum. Podendo auxiliar na melhora do estresse inflamatório e oxidativo que desempenha um papel crucial no desenvolvimento de complicações do diabetes e na progressão de outras doenças crônicas.

Concentrado

O Whey Protein Concentrado contém em torno de 80% a 89% de proteínas do soro do leite. São conservados os carboidratos, lactose, minerais e gordura do leite. Em comparação a outros tipos a digestão é mais demorada e apresenta um teor proteico menor em comparação ao isolado e hidrolisado.

Isolado

O Whey Protein Isolado é considerado a forma comercial mais pura e com alta concentração protéica em torno de 90% a 95%. Passa por um processo de filtragem resultando em pouca gordura e carboidrato e apresenta uma boa capacidade de absorção.

Hidrolisado

O Whey hidrolisado passa por um processo de hidrólise onde as proteínas são quebradas, dando origem aos peptídeos que são moléculas menores e facilitando a sua velocidade de absorção.

Blend de proteínas

O blend de proteínas é uma mistura de diferentes proteínas como whey, proteína de arroz, ervilha e outros. Pode ser também uma mistura de concentrado, isolado e hidrolisado. Após a avaliação de um profissional a melhor forma será escolhida para alcançar os objetivos com a utilização dessas proteínas.

O que é proteína vegetal?

As proteínas vegetais estão presentes em alimentos como as lentilhas, ervilhas, grão de bico, soja e outros, ou seja, uma variedade de feijões que são consideradas fontes proteicas de excelente qualidade em aminoácidos de alto valor biológico, fornecendo uma boa digestibilidade. As oleaginosas também apresentam fontes importantes de proteínas vegetais, como as amêndoas, amendoim, pistache, caju, nozes e avelãs. Sementes como as de abóbora, girassol, linhaça, gergelim e chia. Cereais como a aveia, quinoa, arroz e diferentes algas. Todos esses alimentos representam fontes interessantes de proteínas de origem vegetal, além de possuir outros componentes como fibras, vitaminas, minerais e compostos antioxidantes.

O consumo e a procura por proteínas de origem vegetal têm crescido atualmente, o que pode estar relacionado a preocupação com a saúde, estilo de vida, dietas vegetarianas ou veganas, preocupação com o meio ambiente e até mesmo por pessoas que consomem proteínas de origem animal, mas tem preocupação com a redução no consumo de alimentos de origem animal. Esses fatores contribuíram para despertar na indústria alimentícia a busca por alternativas alimentares de fontes proteicas de origem vegetal com qualidade e que possuam benefícios para a saúde e que apresentam uma opção de alimentação. Estudos com proteína vegetal têm mostrado benefícios para a saúde em relação à perda de peso, doenças cardíacas, doenças renais e certos tipos de câncer.

Proteína de arroz

O arroz possui em sua composição carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas do complexo B, niacina, riboflavina e tiamina. A proteína mais abundante é a lisina além da metionina, isoleucina, leucina, triptofano, valina entre outras, sendo de fácil digestibilidade e de alto valor biológico. A proteína presente no arroz quando hidrolisada apresenta uma alternativa muito interessante para os atletas veganos, vegetarianos, idosos e para as pessoas que buscam alternativa ao consumo de proteínas de origem vegetal.

As proteínas presentes no arroz quando hidrolisadas são quebradas em frações menores através da ação de algumas enzimas adicionadas para essa finalidade, dando origem aos peptídeos que desempenham funções importantes no organismo como a construção de tecidos, músculos e melhora da imunidade. Essa proteína apresenta uma boa digestibilidade, importante para idosos que têm dificuldade com digestão, absorção e representa uma fonte muito interessante de proteínas para os atletas veganos. 

A proteína de arroz é de origem vegetal, obtida do arroz através de processos industriais. É composta pelos aminoácidos essenciais e uma excelente alternativa de proteína para diferentes grupos. Esse tipo de proteína apresenta baixa alergenicidade, boa digestibilidade e alto valor nutricional. Pode ser indicada para atletas veganos, vegetarianos, idosos e para as pessoas que desejam reduzir o consumo de alimentos de origem animal. A proteína do arroz apresenta em uma porção de 100 g, 9,7 g de carboidratos, 80 g de proteínas, 5,6 g de fibras, 0 g de gorduras, 14 mg de ferro, 159 mg de magnésio e 6,7 g de vitamina B12. Possui os aminoácidos lisina, metionina, isoleucina, leucina, triptofano, valina entre outros.

Essa proteína por conter os aminoácidos essenciais está associada a inúmeros benefícios na manutenção da saúde. Para os idosos representa uma alternativa alimentar em lanches intermediários e para fortificar alguns preparos. Idosos costumam ter dificuldades com a ingestão de carnes devido a mastigação. A proteína vegetal pode ser adicionada a alguns preparos como sopas, purês, vitaminas e outras preparações com finalidade de atingir as recomendações proteicas diárias desse grupo.

Para atletas veganos e vegetarianos essa alternativa também é interessante para obtenção e recuperação dos músculos após os treinos e para atingir as recomendações proteicas diárias.

Proteína de ervilha

A ervilha é uma leguminosa com interessantes fontes proteicas, apresentando uma importante fonte de aminoácidos essenciais que são fundamentais para a construção da massa muscular, fornece uma boa digestibilidade e baixa alergenicidade. A proteína da ervilha pode ser obtida em lojas de suplementos alimentares e em pó. Essa proteína serve de opção para os veganos e para as pessoas que estão buscando uma alternativa de boas fontes de proteínas que não seja de origem animal.

Essa proteína apresenta um valor nutricional muito relevante para os atletas, veganos, vegetarianos, idosos e pessoas que queiram substituir a proteína animal em alguns lanches. Escolha as marcas que não tem adição de açúcares. Leia bem o rótulo dos alimentos e observe a composição, quando combinada com proteína do arroz ela fornece os aminoácidos necessários. Em geral uma porção oferece 24g de proteína, 4,5g de BCAA e vitamina B12.

Proteína de soja

A proteína de soja também representa ótimas fontes de proteínas, podendo ser utilizadas como um lanche para complementar a dieta, antes do treino ou pós treino. Essa indicação vai depender do objetivo com a utilização dessa proteína.

Qual a diferença entre Whey Protein e proteína vegetal?

As duas proteínas representam ótimas alternativas para obtenção de fontes protéicas e em uma dieta vegetariana a proteína vegetal é indicada. A combinação com proteínas de ervilha fica perfeita e completa. Para os não veganos e vegetarianos há a opção de utilização de Whey Protein, que é produzida com a proteína do soro do leite. A diferença entre as duas é que o Whey Protein contém proteína do soro do leite e proteína vegetal é obtida de alimentos fontes de vegetais.

Conclusão

A escolha da proteína dependerá dos objetivos desejados, tanto o Whey Protein como a proteína vegetal promovem benefícios à saúde.

Referências Bibliográficas

Verma. D. K; Srivastav. P.P. Bioactive compounds of rice (Oryza sativaL.): Review on paradigm and itspotential benefit in human health. rends in Food Science & Technology. V.97, p. 355-365, 2020.

Corrochano. A. R et al.  Intestinal health benefits of bovine whey proteins after simulated gastrointestinal digestion. Journal of Functional Foods. v. 49, p. 526-535, 2018.

 Lin. C. C et al..Effects of adequate dietary protein with whey protein, leucine, and vitamin D supplementation on sarcopenia in older adults: An open-label, parallel-group study.Clinical Nutrition.  journals.elsevier.com/clinical-nutrition. 2020.

Texto elaborado por: Roberta Saraiva Giroto Patrício

Nutricionista Mestre em Ciências dos Alimentos pela Universidade de São Paulo

CRN: 21984

Consultora Cientifica para blog Nutrify

Rolar para cima