Saiba o que é a Luteína na Saúde Humana | Blog Nutrify

Saiba o que é a Luteína na Saúde Humana

Nutricionistas constantemente alertam sobre a importância da ampla diversidade nas escolhas alimentares in natura, o famoso quanto mais colorido melhor. Há décadas em que o estímulo para uma alimentação rica em vitaminas, minerais, fibras dietéticas, carotenóides, flavonóides é reforçado, a fim de garantir maior consumo de compostos ditos como antioxidantes.

Sabemos que inúmeras causas e desfechos de doenças são fomentadas via dieta e estilo de vida. Isto ocorre pelo fato de que todos os dias durante nossas 24h, o nosso organismo busca constantemente equilibrar os momentos entre o excesso de oxidantes (agentes estressores) e sua remoção, através dos sistemas de defesa antioxidantes.

Conheça a Nutrify | Blog Nutrify

Você pode estar se questionando a razão pela qual isso é relevante para nossa conversa. Para contextualizar então de modo bem simples, saiba que o saldo final desses momentos citados anteriormente é o que determina o seu nível de saúde. Alguns compostos, ainda que essenciais para um bom funcionamento do organismo, nós seres humanos não os produzimos, o que se faz necessário garanti-los através da dieta, como é o caso da luteína. Foco nesta nossa conversa.

Figura extraída do art. Green leafy vegetable and lutein intake and multiple health outcomes.

A luteína é encontrada na gema de ovo, cenoura, rúcula, espinafre, mostarda, no abacate, dentre outras frutas e verduras, o que nos possibilita considerá-la um importante nutracêutico por desempenhar diversas funções na saúde humana. Bioativo dietético qual desperta grande entusiasmo no âmbito científico, para concretas descobertas ao que diz respeito à recomendação diária de sua ingestão [1,2,3].

Em níveis plasmáticos acima do habitual, os resultados são animadores frente às ações antioxidantes, anti-inflamatórias, neuroprotetoras, fotoprotetoras, cardioprotetoras, dentre outras possibilidades observadas após suplementação com doses elevadas [1].

A luteína é o carotenóide mais abundante no olho e no cérebro, bem como seu isômero estrutural zeaxantina. Frequentemente novas pesquisas buscam autenticar a associação destes compostos com a saúde dos olhos. Tais substâncias vieram à tona por conta da descoberta de que elas estão presentes em abundância na mácula, que é situada no centro da retina e responsável pela visão central [3,4,5].

Com forte plausibilidade biológica, os resultados demonstram que estes pigmentos são capazes de reduzirem a sensibilidade da mácula à luz azul de alta energia (como a luz da televisão, tela do celular, computador, entre outras). Atuam como um tipo de ‘’óculos de sol natural’’. Consideradas imprescindíveis na prevenção e tratamento da degeneração macular relacionada à idade (DMRI), esta é a principal causa de cegueira em pessoas acima de 50 anos. A fisiopatologia da DMRI é complexa. Envolve fatores como predisposição genética, estilo de vida, acúmulo de fatores apoptóticos, inflamação local e neovascularização [6,7].

Fato é que os olhos estão relacionados ao cérebro e diferentes processos cognitivos, agindo como uma extensão do sistema neural. Partindo deste ponto sabemos da importância em preservar e promover a densidade macular, a fim de melhorar a percepção-motora, memória, velocidade de processamento e aprendizagem, linguagem, atenção e cognição social [3,8].

Saiba o que é a Luteína na Saúde Humana | Blog Nutrify

Evidências demonstram possíveis associações de baixa densidade óptica do pigmento macular e visão deficiente, em pacientes com doença de Alzheimer (DA), doença neurodegenerativa mais comum em idosos e com estimativa próxima aos 80 milhões de casos diagnosticados até 2040. Além disso, dentre as causas mais comuns de mortalidade em todo o mundo, o acidente vascular cerebral (AVC) apresenta a mesma linha de investigação que a DA, a qual associam então, níveis elevados de estresse oxidativo em seus respectivos desfechos clínicos [9,10].

Há tempos em que centenas de milhões de pessoas são acometidas por doenças crônicas respiratórias. Alguns estudos investigam o papel da luteína como possível protetora das vias aéreas de danos resultados por inflamação, como a asma, chiado, displasia broncopulmonar, função e mortalidade respiratória [11].

Ainda que seja necessário aprofundar em estudos a longo prazo para especificar recomendações dietéticas de luteína nos diferentes mecanismos envolvidos nos cenários desta nossa conversa, tomar como base na nutrição humana a importância dos carotenóides frente à diversas patologias e condições clínicas é fundamental. Certo também é o crescente e exacerbado apetite em consolidar novas razões favoráveis ao consumo de alimentos provindos da mãe natureza de forma geral, a fim de promover saúde mundialmente. 

Refletimos mais uma vez com esta temática, sobre a importância do acompanhamento multidisciplinar com profissionais da nutrição, da neurologia, psiquiatria, oftalmologia, bem como todas as demais frentes da medicina, na conquista de uma saúde integral.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

[1] Li N, Wu X, Zhuang W, Xia L, Chen Y, Wang Y, Wu C, Rao Z, Du L, Zhao R, Yi M, Wan Q, Zhou Y. Green leafy vegetable and lutein intake and multiple health outcomes. Food Chem. 2021 Oct 30;360:130145. doi: 10.1016/j.foodchem.2021.130145. Epub 2021 May 18. PMID: 34034049.

[2] Ranard KM, Jeon S, Mohn ES, Griffiths JC, Johnson EJ, Erdman JW Jr. Dietary guidance for lutein: consideration for intake recommendations is scientifically supported. Eur J Nutr. 2017 Dec;56(Suppl 3):37-42. doi: 10.1007/s00394-017-1580-2. PMID: 29149368; PMCID: PMC5715043.

[3] Li J, Abdel-Aal EM. Dietary Lutein and Cognitive Function in Adults: A Meta-Analysis of Randomized Controlled Trials. Molecules. 2021 Sep 24;26(19):5794. doi: 10.3390/molecules26195794. PMID: 34641336; PMCID: PMC8510423.

[4] Feng L, Nie K, Jiang H, Fan W. Effects of lutein supplementation in age-related macular degeneration. PLoS One. 2019 Dec 30;14(12):e0227048. doi: 10.1371/journal.pone.0227048. PMID: 31887124; PMCID: PMC6936877.

[5] Hajizadeh-Sharafabad F, Zahabi ES, Malekahmadi M, Zarrin R, Alizadeh M. Carotenoids supplementation and inflammation: a systematic review and meta-analysis of randomized clinical trials. Crit Rev Food Sci Nutr. 2021 May 17:1-17. doi: 10.1080/10408398.2021.1925870. Epub ahead of print. PMID: 33998846.

[6] Wang X, Jiang C, Zhang Y, Gong Y, Chen X, Zhang M. Role of lutein supplementation in the management of age-related macular degeneration: meta-analysis of randomized controlled trials. Ophthalmic Res. 2014;52(4):198-205. doi: 10.1159/000363327. Epub 2014 Oct 25. PMID: 25358528.

[7] Wilson LM, Tharmarajah S, Jia Y, Semba RD, Schaumberg DA, Robinson KA. The Effect of Lutein/Zeaxanthin Intake on Human Macular Pigment Optical Density: A Systematic Review and Meta-Analysis. Adv Nutr. 2021 Dec 1;12(6):2244-2254. doi: 10.1093/advances/nmab071. PMID: 34157098; PMCID: PMC8634499.

[8] Nouchi R, Suiko T, Kimura E, Takenaka H, Murakoshi M, Uchiyama A, Aono M, Kawashima R. Effects of Lutein and Astaxanthin Intake on the Improvement of Cognitive Functions among Healthy Adults: A Systematic Review of Randomized Controlled Trials. Nutrients. 2020 Feb 27;12(3):617. doi: 10.3390/nu12030617. PMID: 32120794; PMCID: PMC7146131.

[9] Qu M, Shi H, Wang K, Wang X, Yu N, Guo B. The Associations of Plasma/Serum Carotenoids with Alzheimer’s Disease: A Systematic Review and Meta-Analysis. J Alzheimers Dis. 2021;82(3):1055-1066. doi: 10.3233/JAD-210384. PMID: 34151808.

[10] Bahonar A, Saadatnia M, Khorvash F, Maracy M, Khosravi A. Carotenoids as Potential Antioxidant Agents in Stroke Prevention: A Systematic Review. Int J Prev Med. 2017 Sep 14;8:70. doi: 10.4103/ijpvm.IJPVM_112_17. PMID: 28983399; PMCID: PMC5625359.

[11] Melo van Lent D, Leermakers ETM, Darweesh SKL, Moreira EM, Tielemans MJ, Muka T, Vitezova A, Chowdhury R, Bramer WM, Brusselle GG, Felix JF, Kiefte-de Jong JC, Franco OH. The effects of lutein on respiratory health across the life course: A systematic review. Clin Nutr ESPEN. 2016 Jun;13:e1-e7. doi: 10.1016/j.clnesp.2016.02.096. Epub 2016 Mar 26. PMID: 28531562.

Nutricionista Guilherme Ugeda. Rede social – @nutricionistaugeda

Rolar para cima