Foi publicado no renomado British Medical Journal, em maio de 2017, um grande estudo questionando o consumo de carne vermelha e sua relação com o aumento do aparecimento de doenças crônicas e também com a mortalidade.

Foram avaliadas 536.969 pessoas (idades entre 50 e 71 anos), componentes de uma base de dados populacional de um estudo epidemiológico americano. Esse estudo englobou pessoas de 6 estados e 2 regiões metropolitanas, que foram acompanhadas por um período de 16 anos.

Como resultado dessa grande análise, os pesquisadores encontraram um risco maior de desenvolvimento de nove doenças específicas, ou mesmo de morte, associadas ao maior consumo de carne vermelha (processada ou não processada).

Segundo os autores do estudo, o Ferro heme (encontrado em carnes processadas e não processadas) e os nitritos e nitratos (com maiores concentrações em carnes processadas, como os embutidos) compuseram grande parte do aumento dos riscos observados nas análises de dados.

Assim, pela primeira vez numa publicação científica, a presença de maiores quantidades de Ferro heme, nitritos e nitratos na composição dietética teve associação independente (possível fator de causa) com a quase totalidade das causas de morte.

Referência:

Mortality from different causes associated with meat, heme iron, nitrates, and nitrites in the NIH-AARP Diet and Health Study: population based cohort study. Etemadi A, Sinha R, Ward MH, Graubard BI, Inoue-Choi M, Dawsey SM, Abnet CC. BMJ. 2017 May 9;357:j1957. doi: 10.1136/bmj.j1957

Link para o estudo:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28487287