o-que-e-dieta-paleolitica-blog-nutrify

Dieta Paleolítica: O que é, como surgiu e benefícios

A dieta Paleolítica tem adquirido popularidade nos últimos tempos. Essa dieta baseia-se no consumo de alimentos supostamente consumidos durante a era Paleolítica por nossos ancestrais.

É permitido incluir nesta dieta carnes magras principalmente de animais que se alimentam de pastagens, peixes preferencialmente os selvagens, mariscos, frutas e vegetais da epoca, sementes, ovos e nozes. São excluídos dessa dieta grãos, cereais, laticínios, alimentos processados, açucares refinados e sal adicionado. Essa dieta é composta por 19 a 35% de proteínas, 22 a 40% de carboidratos e 47% de gorduras.

Como surgiu a Dieta Paleolítica?

Os hábitos alimentares dos nossos ancestrais de 45.000–40.000 a 10.000 aC, conquistaram popularidade nos ultimos tempos. As pessoas que seguem essa dieta acreditam em seus benefícios associados a saúde,  como a melhora das doenças inflamatórias, sensação de saciedade, perda de peso, redução do desenvolvimento de câncer e melhora de processos inflamatórios desencadeados pela má alimentação composta de produtos processados, industrializados ricos em açucares e gorduras trans. Com a agricultura, industrialização e a criação de animais a dieta foi se modificando e sendo rica em laticínios, cereias refinados e açucares. A industrialização proporcionou facilidades para os seres humanos mas também trouxe conseqüências como o aumento no consumo de alimentos processados e redução no consumo das frutas e vegetais frescos sendo o padrão de dieta drasticamente modificado. Seguidores dessa dieta acreditam que o consumo de alimentos processados, rico em açucares, gorduras e conservantes levam ao desenvolvimento de muitas doenças que se desenvolvem pelo processo inflamatório causados pela alimentação moderna e atual como as neurais e metabólicas. Acreditam também que o nosso genótipo se mantém como na era paleolítica e por esse motivo a dieta paleolítica seria benéfica saúde.

Para que serve a Dieta Paleolítica?

Dieta ocidental está relacionada ao consumo de alimentos com alto teor de glicose, proteína láctea, gordura saturada, alimentos processados e industrializados contendo muito açúcar e sal o que está relacionado a uma série de doenças. A dieta Paleolitica é composta por carnes magras, peixes, vegetais e excluída de alimentos processados, contém os polifenóis e fotoquímicos que são substâncias que nos protegem dos radicais livres que causam danos no DNA, essa dieta serve para melhorar a saúde, prevenir doenças, auxiliar na perda de peso e na saciedade.

Quais são os benefícios da Dieta Paleolítica?

Essa dieta por estimular o consumo de vegetais, sementes, castanhas e carnes magras apresenta-se benéfica devido a presença de compostos fitoquimocos e ácidos graxos insaturados que são considerados saudáveis. Nos vegetais estão presentes as fibras, vitaminas e alguns minerais que previnem doenças. Os fotoquímicos e compostos bioativos presentes nos vegetais e frutas contribuem para redução do risco de diversas doenças como câncer, Alzheimer, doenças cardíacas, dislipidemias entre outras. Um estudo de Talreja (2014), com adultos não diabéticos que tinham idade de 35 e 85 anos com fatores de risco para doenças cardiovasculares mostrou que a dieta paleolítica em adultos com fatores de risco cardiovascular contribuiu para a perda de peso, melhora da pressão arterial e redução dos triglicerídeos e marcadores de lipoproteínas associados à resistência à insulina. È importante destacar que assim como em qualquer dieta é importante a orientação de um profissional nutricionista para avaliar a necessidade de utilização de suplemento alimentar para corrigir deficiencias alimentares quando ocorre.

Jönsson et al ( 2009),  avaliou os efeitos benéficos da dieta paleolítica sobre os fatores de risco cardiovascular no diabetes tipo 2, os autores observaram neste estudo que uma dieta de 3 meses com uma dieta paleolítica contribuiu para melhorar o controle glicêmico e também os fatores  de risco cardiovascular em comparação a uma dieta focada para diabetes tipo 2.

Aumento de energia e disposição

Sim, essa dieta por conter vegetais, frutas, peixes, carnes magras e excluir produtos processados e ricos em carboidratos refinados como o açúcar contribui para uma maior energia e disposição para o dia a dia.

Excelente para praticar esportes de alta performance

O foco dessa dieta está na saúde, manutenção do peso e melhora na qualidade de vida por não ser composta em produtos industrializados e processados. Por ser composta por proteínas fornecem os aminoácidos necessários para a construção dos músculos, favorecendo o ganho de massa muscular para o grupo que deseja incluir a dieta no seu estilo de vida.

Quais são as desvantagens dessa dieta?

Quando essa dieta não é balanceada e há um consumo de proteínas em excesso podem ocorrer alguns desequilíbrios no metabolismo. Esse desequilíbrio está associado a problemas renais e perda de cálcio. Alguns adeptos da dieta também realizam jejum prolongado podendo ocasionar desmaios, confusão mental devido a esses fatores a busca pela orientação nutricional é fundamental.

Dieta Paleolítica alimentos permitidos e não permitidos?

Nesta dieta não pode ser incluído cereais como arroz, trigo, aveia, cevada, quinoa, milho, amendoim, feijão, soja, tofu, ervilhas, lentilhas, alimentos processados e empacotados, mortadela, carnes gordurosas, salame, alimentos que contenham sal.

São permitidos nesta dieta carnes preferencialmente de animais que se alimentam de pastagens e não de rações, peixes, moluscos, mariscos, frutas frescas da época, ovos, sementes e vegetais frescos da época.

Qual é a diferença entre a Dieta Paleo e a alimentação do nosso dia a dia?

A dieta paleo restringe os cereais como arroz, milho, aveia, trigo e produtos lácteos. A dieta do dia a dia é composta por alimentos do grupo dos cereais e produtos lácteos.  A dieta paleo segue o principio da exclusão de produtos ricos em carboidratos e produtos industrializados que estão associados a redução dos processos inflamatórios, melhora a saciedade, controla os níveis de glicemia e insulina, contribui para uma boa digestão, melhora o perfil lipídico. Todos esses fatores estão associados ao seguimento dessa dieta que respeita a herança genética dos antepassados.

De quanto em quanto tempo preciso comer?

A dieta Paleolítica é baseada em nossos ancestrais, eles não possuíam alimentos em abundancia como temos atualmente, precisavam caçar e não possuíam alimentos a sua disposição como nos dias atuais. A alimentação não seguia um horário pré estabelecido como muitas dietas preconizam a ingestão de 3          em 3 horas. Muitos adeptos da dieta paleolítica realizam jejum intermitente. Então nesta dieta não há regras de horários para realizar a ingestão de alimentos.

Vegetariano pode fazer a Dieta Paleo?

A dieta paleo inclui alimentos de origem animal como as carnes magras, peixes, crustáceos e frango não sendo consumido este tipo de alimento por vegetarianos.

Os vegetarianos podem seguir essa dieta desde que faça a exclusão de carnes, consumindo os ovos, legumes, verduras, nozes e sementes. Uma atenção especial deve ser dada as leguminosas que são fontes de proteínas para os vegetarianos.

Conclusão

A dieta paleolítica tem sido relacionada com melhorias nos quadros de diabetes por controlar a glicemia e também contribuindo para perda de peso, melhora da pressão arterial e do perfil lipídico. Mais estudos a longo prazo são necessários para constatar o efeito dessa dieta na saúde.

Referencias Bibliográficas

Suleria. A. R; Patel. S. Ethnic and paleolithic diet: Where do they stand in inflammation alleviation? A discussion. Journal of Ethnic Foods. V. 4, n. 4, p. 236-241, 2017.

Hoffman.R. Can the paleolithic diet meet the nutritional needs of older people? Maturitas. V. 95, p.63-64, 2017.

Talreja. D. TCT-117 Impact of a Paleolithic Diet on Modifiable Cardiovascular Risk Factors. Journal of the American College of Cardiology. v.64, n11, 2014.

Jönsson. T et al. Beneficial effects of a Paleolithic diet on cardiovascular risk factors in type 2 diabetes: a randomized cross-over pilot study. Cardiovascular Diabetology. V. 8, n. 35, p. 1-14, 2009.

Saiba o que é Flexitariano | Blog Nutrify

Rolar para cima