dia-mundial-do-meio-ambiente-como-salvar-nossos-ecossistemas-blog-nutrify

Dia Mundial do Meio Ambiente – Como salvar nossos ecossistemas?

Uma data para chamar nossa atenção à necessidade de preservar. Saiba o que é o Dia Mundial do Meio Ambiente e como você pode ajudar. 

Preservar o meio ambiente é uma necessidade comum a todos os seres humanos, mas muitos acabam se esquecendo disso.  O Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado em 5 de junho, foi criado para dar mais visibilidade ao tema entre aqueles que ainda não o consideram tão importante, mas também para engajar pessoas que já se preocupam em debates e ações globais.

Como surgiu o Dia do Meio Ambiente?

A data foi criada na abertura da Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente Humano, realizada em 1972, também conhecida como Conferência de Estocolmo. Mas passou a ser celebrada oficialmente 2 anos depois, em 1974. Desde então, vem ganhando relevância, sempre com intenção de incentivar o pensamento crítico e a ação.

Falar de meio ambiente é falar de uma infinidade de questões essenciais à vida na Terra. Por isso, a cada ano, destaca-se um aspecto diferente desse grande tema que é a preservação ambiental. Da mesma forma, cada edição tem um país anfitrião, responsável por sediar uma série de eventos.  O Brasil já esteve nessa posição, em 1992, ano em que realizou no Rio de Janeiro a Conferência da ONU sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, também conhecida como Cúpula da Terra ou ECO 92.

Dia Mundial do Meio Ambiente 2021

Neste ano, o país sede é o Paquistão e o tema “Reimagine. Recrie. Restaure”, que aborda a necessidade de restauração de ecossistemas degradados por décadas de atividade humana irresponsável.

A degradação de ecossistemas já afeta cerca de 3,3 bilhões de pessoas em todo o mundo, ou seja, 40% da população mundial já tem algum prejuízo em sua qualidade de vida. Cerca de 30% dos ecossistemas de água doce desapareceram desde a década de 70.

Por que a degradação dos ecossistemas é preocupante?

Cada ecossistema comprometido gera uma série de impactos perigosos. Se nada for feito, problemas relacionados a essa degradação, como extinção de espécies e riscos diretos à saúde humana, vão se tornar cada vez mais graves no futuro.

A importância de ecossistemas saudáveis em alguns exemplos:

Abastecimento de água

Florestas fornecem água potável para 1/3 das maiores cidades do mundo. Elas também são o suporte vital para 80% das espécies de anfíbios, 75% das de pássaros e 68% das espécies de mamíferos. Restaurar 15% das regiões degradadas nos lugares certos, já pode evitar 60% das extinções de espécies projetadas pelos pesquisadores.

Prevenção de novas pandemias

Estudo recente, publicado na revista Nature, analisou cerca de 7 mil comunidades de animais em seis continentes e constatou que, em locais selvagens convertidos em terras agrícolas ou assentamentos humanos, a proporção de espécies que carregam patógenos causadores de zoonoses aumentou em 70% em comparação com ecossistemas não danificados.

Fome e questões humanitárias

Se não frearmos a degradação da Terra, estima-se uma redução de 12% na produção global de alimentos e uma alta de preços de até 30% até 2040, agravando a fome no planeta. As previsões mostram ainda que até 700 milhões de pessoas precisarão migrar em decorrência das mudanças climáticas até 2050.

Questões econômicas

Cerca de US$10 trilhões do PIB global podem ser perdidos até 2050 se os ecossistemas continuarem sendo degradados.

O que nós podemos fazer?

Diante de problemas de escala tão grande, novamente vale a máxima: ninguém vai resolver nada sozinho. Sociedade, empresas e governos precisam cooperar para que ações efetivas sejam tomadas em muitas frentes. Mas cada um de nós pode e deve contribuir com ações cotidianas:

  • Ajude a informar e conscientizar: dissemos lá no início que muita gente não dá bola para a questão ambiental. Compartilhar informação de qualidade e ajudar a conscientizar quem está mais próximo de você é uma das tarefas mais importantes (e não custa nada).
  • Pratique um consumo consciente: reduzir, reutilizar e reciclar é um “mantra” que deve fazer parte do nosso dia a dia, já que cada produto novo demanda mais recursos naturais para sua fabricação. Ao comprar, pesquise e priorize marcas que utilizem fontes sustentáveis de matéria-prima.
  • Procure diminuir sua pegada de carbono: quase tudo que fazemos gera, direta ou indiretamente, emissões de gases do efeito estufa, os grandes vilões do aquecimento global. Mas é possível reduzir sua pegada com atitudes simples, a gente te dá algumas dicas
  • Não compactue com o tráfico de animais silvestres: a retirada de animais de seus habitats naturais, além de ser uma prática cruel, gera desequilíbrios na cadeia alimentar e tem desdobramentos graves também para a saúde humana.
  • Defenda políticas públicas de preservação: pequenas ações ajudam, mas não são suficientes para manter florestas em pé, mares e rios limpos. É preciso que sejamos vigilantes quanto às ações do poder público, lutando por legislações e fiscalização efetiva no combate à destruição ambiental.

 

Saiba mais sobre a edição 2021 do Dia Mundial do Meio Ambiente e veja como se engajar nesse movimento global. Acesse: https://www.worldenvironmentday.global/pt-br

 

Referências:

https://www.wwf.org.br/informacoes/noticias_meio_ambiente_e_natureza/?77471/Acordo-de-Paris-completa-cinco-anos-com-licoes-aprendidas

https://mundoeducacao.uol.com.br/datas-comemorativas/dia-mundial-meio-ambiente.htm

https://www.nationalgeographicbrasil.com/meio-ambiente/2019/11/maioria-dos-paises-nao-ira-atingir-metas-climaticas-para-2030-e-todos-pagarao

https://www.wwf.org.br/informacoes/noticias_meio_ambiente_e_natureza/?77471/Acordo-de-Paris-completa-cinco-anos-com-licoes-aprendidas

https://www.worldenvironmentday.global/pt-br/voce-sabia/fatos-e-numeros

https://unileao.edu.br/2020/09/02/consequencias-do-trafico-de-animais-silvestres-para-o-meio-ambiente/

Rolar para cima