No ano de 1832, o cientista francês Michel Chevreul, descobriu um novo componente da carne e o denominou creatina, derivada da palavra gerga kreas, que significa carne. Em 1847, o pesquisador Justus Liebig reportou que raposas selvagens possuíam mais creatina quando comparadas a raposas criadas em cativeiros, as quais são menos ativas. Na decada de 1930, atletas da Europa realizavam um suco de carne com o objetivo de aumentar os estoques de creatina muscular. No século XX as pesquisas começaram a evoluir e nas Olimpíadas de Barcelona, de 1922, a suplementação de creatina ganhou notoriedade quando corredores de alta velocidade e atletas de provas de barreira reportaram o seu uso1.

Atualmente a creatina é um dos suplementos com maior comprovação científica, com enorme potencial ergogênico, considerada segura e com ótimo custo x benefício. Ela é produzida, principalmente, no fígado a partir da união dos aminoácidos arginina, glicina e metionina (S-adenosil-metionina)2.

Mesmo que a creatina não seja ingerida através da dieta ou da suplementação, o nosso corpo tem, diariamente, a capacidade de sintetizá-la a partir dos três aminoácidos retro-mencionados. Entretanto, a quantidade de produção endógena é muito baixa, ficando em torno de 1 grama. Alimentos como carnes, aves e peixes são fontes de creatina, contendo cerca de 4 a 5 gramas por kilo, o que também dificulta a atingir, todos os dias, o que seria necessário para obter o resultado pretendido através de uma dieta equilibrada. Dessa forma, para que haja melhora do desempenho ou qualquer outro efeito positivo da creatina, a suplementação é a grande aliada3,18.

É um composto armazenado no nosso organismo, principalmente na musculatura esquelética. Cerca de 95% da creatina está presente no músculo e os outros 5% restantes, predominantemente, no cérebro. Indivíduos vegetarianos/veganos apresentam estoques menores de creatina muscular, ficando em torno de 100mmol/kg quando comparados a indivíduos que consomem carne (120mmol/kg). Com a suplementação, pode-se chegar a 160mmol/kg de tecido muscular seco, o qual é o limite de armazenamento intramuscular2,18.

 

Mecanismos de ação da creatina

Ela possui diversos mecanismos de ação, sendo o principal correlacionado com o aumento de força muscular. Ao suplementar creatina, haverá aumento nos estoques de creatina fosfato e, com isso, maior capacidade de gerar energia (ATP), principalmente em esportes de intensidade muito alta e duração curta, como corrida de 100m rasos, sendo uma maneira rápida e fácil de gerar ATP. Ao aumentar a creatina fosfato, o indivíduo consegue treinar com mais força, tendo maior estímulo de lesão no músculo e, através do processo inflamatório, ocorrerá maior hipertrofia muscular2,4

Outro mecanismo elucidado diz respeito à ativação de células satélites, as quais estão contidas na musculatura e, quando ativadas, estão correlacionadas com hipertrofia. São progenitoras, o que significa que têm capacidade de se especializar em uma célula-alvo podendo se diferenciar  quando ativadas, fundir-se para aumentar o número de fibras musculares existentes e formar novas fibras. Elas estão envolvidas no crescimento muscular como também na regeneração após lesão20.

Cabe mencionar o mecanismo que está relacionado aos fatores reguladores mitogênicos (MRF) que são responsáveis por controlar a miogênese, que nada mais é que a formação do tecido muscular. Os MRF estão envolvidos na estimulação das células satélites para proliferar e se difundirem com as fibras muscularres. Assim, a creatina além de gerar uma estimulação direta de células satélites, pode ativar os fatores reguladores miogênicos que contribuem no processo de novas fibras musculares5,7.

A maioria dos estudos mostra possíveis efeitos da creatina em ativar essas células, gerando processo de formação de novas fibras e, consequentemente, hipertrofia muscular, o que é extremamente interessante na prática esportiva como também em indivíduos idosos. Com o decorrer da idade, há declínio das células satélites e, com isso, resistência ao anabolismo. Ativá-las na população idosa é ainda mais importante a fim de melhorar a qualidade de vida e diminuir a fraqueza muscular, evitando quedas e fraturas ósseas5,6,7,8,9.

Por apresentar efeito osmótico, a creatina atrai água para dentro da célula muscular e, a médio prazo, pode contribuir com estímulo à síntese proteica17,18. Cabe salientar que a retenção hídrica é intracelular, não tendo relação com a formação de edema causada pela retenção subcutânea.

 

Recomendações de uso

A creatina monohidratada é a suplementação indicada. De maneira geral, recomenda-se a fase de saturação, a fim de obter resultados mais rápidos, seguido da fase de manutenção. Na fase de saturação, é indicado consumir 0,3 gramas por kg (aproximadamente 20g/dia) durante 5 a 7 dias, podendo ser fracionadas em 4 doses iguais ao longo do dia. Já a fase de manutenção, a dose fica em torno de 0,03 a 0,1 por kg (3 a 5g/dia). Pode-se optar por não fazer a primeira fase e, nesse caso, o aumento do estoque intramuscular levará mais tempo2.

 

Uso clínico e possíveis efeitos terapêuticos

Apesar do fato da creatina ter se popularizado na prática esportiva, a ciência tem avançado e é crescente o número de evidências dos benefícios da suplementação relacionado a diversas patologias.

 

Distúrbio musculares

Devido aos seus efeitos na força muscular e massa magra, a creatina pode ser utilizada como um importante tratamento coadjuvante em várias miopatias, incluindo distrofias musculares, citopatias e distúrbios neuropáticos periféricos19.

 

Diabetes Mellitus tipo 1 e tipo 2 (DM1 e DM2)

A prática de atividade física para diabéticos já é bastante conhecida, visto que ela é capaz de promover a translocação de GLUT-4 para a membrana da célula e, com isso, aumentar a captação de glicose, independente de insulina. Estudos apontam que, ao associar o treinamento com a suplementação de creatina, a translocação do transportador de glicose (GLUT-4) é ainda maior. No estudo de Gualano et al. (2011), foi demonstrado que houove queda significativa da hemoglobina glicada e menor elevação da glicemia plasmática. Dessa forma, a suplementação auxilia no tratamento de DM2  e até mesmo DM1, pelo fato de que haverá redução da quantidade total da ingestão de insulina10,19.

 

Distrofia muscular de Duchenne

É uma doença genética associada à perda de massa magra e força muscular. O estudo de Tamopolsky (2004), demonstrou que houve aumento significativo de massa livre de gordura em crianças portadoras da doença, podendo a suplementação ajudar a controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida14.

 

Sarcopenia

Por já sofrerem a perda de massa magra, os idosos parecem ser mais responsivos com a suplementação. Associá-la ao treino resistido com peso, diminui o declínio da força e massa muscular. Cabe mencionar que, hipertrofia no idoso significa funcionalidade dos músculos e realizações das atividades cotidianas, como caminhar sem auxílio de terceiros, subir escada sem esforço, bem como diminuir a fraqueza muscular a fim de evitar queda e fratura óssea7,21.

 

Distúrbios neurodegenerativos

Tem como característica comum a depleção de energia cerebral, estresse oxidativo exacerbado e disfunção mitocondrial. Pelo fato de a creatina poder aliviar essas anormalidades, a suplementação parece ser interessante em doenças psiquiátricas e neurodegenerativas. Apesar de não possuir respaldo científco do uso da creatina na doença neurológica em grau mais avançado, como no Parkinson e Alzheimer, há embasamento no que se refere à prevenção de aparecimento de danos cerebrais em populações de risco, como em idosos ou indivíduos com histórico familiar de doenças neurodegenerativas2,11,15,16,19.

 

Isquemia

Na isquemia, a geração de ATP pela glicólise oxidativa é prejudicada e a fosfocreatina transfere de maneira rápida o grupamento fosfato para o ADP, reconstituindo o estoque de ATP e impedindo o esgotamento rápido de energia. Em razão disso, a creatina vem sendo estudada e a literatura sugere que a suplementação profilática de creatina pode ser benéfica para pacientes com risco de isquemia e/ou acidente vascular cerebral2.

 

Depressão

A suplementação de creatina pode aumentar as reservas cerebrais de fosfocreatina, gerando maior capacidade de energia no local. Estudo de Lyoo (2012), demonstra que pacientes que fazem o uso da classe de medicamentos chamado de inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRS), apresentam melhora significativa nos sintomas de depressão com o uso do suplemento12. Além disso, a literatura demonstra que há possíveis mecanismos relacionados com a ativação de receptores de dopamina e serotonina bem como redução do receptor de glutamina13, o que seria interessante nesse público. Devido a esses mecanismos, a creatina pode ser utilizada como coadjuvante no tratamento convencional da patologia.

 

Considerações finais

Em face do exposto, além da melhora no desempenho esportivo, já muito bem elucidado pela ciência, a aplicação da creatina do ponto de vista clínico é realmente impressionante, podendo ser uma aliada no tratamento de uma ampla gama de doenças. Como a suplementação vem sendo estudada desde a década de 1990, existindo milhares de estudos publicados a curto e longo prazo2, é uma solução segura, eficaz e acessível, podendo beneficiar uma imensa amplitude de pessoas, desde a infância até a velhice, com ou sem tratamento médico.

 

Referências bibliográficas

  1. Willjams, M.H.; Kreider, R.B.; Branch, J.D. Creatine: the power supplement. Human kinetics (1999).
  2. Kreider, R.B.; Kalman, D.S.; Antonio, J. et al. International Society of Sports Nutrition position stand: safety and efficacy of creatine supplementation in exercise, sport, and medicine. J Int Soc Sports Nutr, 14, 18 (2017).
  3. Mcardle, W.D.; Katch, F.I.; Katch, V.I. Fisiologia do exercício. Grupo Gen-guanabara Koogan (2016).
  4. Terjung, R.L. et al. American College of Sports Medicine roundtable. The physiological and health effects of oral creatine supplementation. Medicine and science in sports and exercise, v. 32, 3 (2000).
  5. Olsen, S. et al. Creatine supplementation augments the increase in satellite cell and myonuclei number in human skeletal muscle induced by strength training. The Journal of physiology, vol. 573, (2006).
  6. Chilibeck, P.D. et al. Effect of creatine supplementation during resistance training on lean tissue mass and muscular strength in older adults: a meta-analysis. Open access journal of sports medicine, vol. 8 (2017).
  7. Dolan, E. et al. Muscular Atrophy and Sarcopenia in the Elderly: Is There a Role for Creatine Supplementation?. Biomolecules, vol. 9,11 (2019).
  8. Roberts, P.A. et al. Creatine ingestion augments dietary carbohydrate mediated muscle glycogen supercompensation during the initial 24 h of recovery following prolonged exhaustive exercise in humans. Amino acids, vol. 48,8 (2016);
  9. Greenwood, M. et al. Cramping and Injury Incidence in Collegiate Football Players Are Reduced by Creatine Supplementation. Journal of athletic training, vol. 38,3 (2003).
  10. Gualano, B. et al. Creatine in type 2 diabetes: a randomized, double-blind, placebo-controlled trial. Medicine and science in sports and exercise, vol. 43,5 (2011).
  11. Lyoo, I.K. et al. A randomized, double-blind placebo-controlled trial of oral creatine monohydrate augmentation for enhanced response to a selective serotonin reuptake inhibitor in women with major depressive disorder. The American journal of psychiatry, vol. 169,9 (2012).
  12. Pazini, F.L. et al. The possible beneficial effects of creatine for the management of depression. Progress in neuro-psychopharmacology & biological psychiatry, vol. 89 (2019).
  13. Tarnopolsky, M.A. et al. Creatine monohydrate enhances strength and body composition in Duchenne muscular dystrophy. Neurology vol. 62, 10 (2004).
  14. Balestrino, M. et al. Potential of creatine or phosphocreatine supplementation in cerebrovascular disease and in ischemic heart disease. Amino acids, vol. 48,8 (2016).
  15. Mo, J. et al. The effectiveness of creatine treatment for Parkinson’s disease: an updated meta-analysis of randomized controlled trials. BMC neurology, vol. 17,1 (2017).
  16. Vandenberghe, K. et al. Long-term creatine intake is beneficial to muscle performance during resistance training. Journal of applied physiology (Bethesda, Md. : 1985) vol. 83,6 (1997).
  17. Naderi, A. et al. Timing, Optimal Dose and Intake Duration of Dietary Supplements with Evidence-Based Use in Sports Nutrition. Journal of exercise nutrition & biochemistry, vol. 20,4 (2016).
  18. Gualano, B. et al. In sickness and in health: the widespread application of creatine supplementation. Amino acids, vol. 43,2 (2012).
  19. SILVA, M.D.P.; CARVALHO, R.F. Mecanismos celulares e moleculares que controlam o desenvolvimento e o crescimento muscular. R. Bras. Zootec., v. 36, supl. p. 21-31 (2007) .
  20. Harris, R C et al. Elevation of creatine in resting and exercised muscle of normal subjects by creatine supplementation. Clinical science (London, England : 1979), vol. 83,3 (1992).