O que é glutamina?

A glutamina é um aminoácido encontrado de forma abundante no corpo dos mamíferos e corresponde a 60% do pool total de aminoácidos livres os garantido para outros tecidos e órgãos. A glutamina apresenta papel fundamental no transporte de nitrogênio, carbono e energia. Também é um precursor da glutationa, poderoso antioxidante produzido endogenamente. É um aminoácido não essencial, o que quer dizer que nosso corpo o produz, mas em condições especiais como patologias e atividades físicas intensas a glutamina se torna um aminoácido condicionalmente essencial. Atua como uma fonte de combustível para certas células imunológicas como os linfócitos e macrófagos e pode ter um efeito especial na estimulação imunológica.

 Para que serve glutamina?

A glutamina apesar de ser não essencial, em algumas situações como a de patologias, queimaduras, estresse, trauma e infecções a sua utilização tem sido considerada essencial e muitos estudos estão sendo realizados para elucidar o seu mecanismo de ação. Nestas situações a demanda pelo organismo aumenta, e se não houver suplementação a tempo e adequadamente, o seu nível plasmático pode diminuir, e quando há esse esgotamento podem ocorrer lesões graves e desnutrição do tecido. Embora ainda haja controvérsias na sua utilização em pacientes graves, muitos dados clínicos mostram que a suplementação pode melhorar o prognóstico dos pacientes.

Benefícios da glutamina

A suplementação em situações específicas está associada a inúmeros benefícios, como a redução da dor muscular, melhora da performance, crescimento de massa muscular, integridade da barreira intestinal, energia para células de defesa como os linfócitos e os macrófagos, têm papel fundamental na proliferação de células intestinais, suporte ao sistema imunológico, aumento da produção de glicogênio, efeitos anticatabólicos. Atua como fonte de energia e alimento para as células do intestino, quando o corpo sofre queimaduras, feridas graves, é muito importante que haja quantidades suficientes de glutamina para atuar no sistema imune para que não ocorra prejuízos a saúde como translocação de bactérias patogênicas do intestino para corrente sanguínea. A mucosa intestinal é composta por estratégias, como as barreiras para proteger o organismo de possíveis infecções, dentre as barreiras pode-se destacar as mecânicas, químicas, biológicas e imunológicas. Elas evitam a entrada de antígenos externos, e desempenham um papel importante na prevenção da translocação de bactérias intestinais evitando as possíveis sepses. O nosso fígado é um órgão que possui a capacidade de produzir e consumir a glutamina, dependendo das condições fisiológicas em que o corpo se encontra. Ela aumenta nas condições fisiológicas normais e ocorre a síntese e degradação no fígado para manter o equilíbrio. O tecido muscular é um dos principais sítios de síntese e liberação para corrente sanguínea. O tecido muscular possui de 40 a 60% do pool de aminoácidos livres, os garantindo para outros tecidos e órgãos.

A degradação do conteúdo de proteína do músculo ocorre devido à resposta catabólica que normalmente acompanha algumas patologias como a  sepse, câncer, diabetes ou situações onde os músculos não são utilizados, como nos períodos de imobilização de membros e repouso prolongado.

A glutamina desempenha um papel fundamental também no turnover de proteínas musculares, e nas modulações das vias de sinalização celular, principalmente aquelas relacionadas à expressão de genes envolvidos na regulação de respostas inflamatórias e imunológicas. O mecanismo das reações da suplementação de glutamina inclui as funções antioxidantes desse aminoácido, componente essencial e modulador da síntese deste antioxidante, também exerce uma ação na expressão de proteínas de choque térmico. Possui a capacidade de auxiliar na formação de outros aminoácidos, atuando na síntese de proteínas que exerce uma série de funções no organismo. 

Alimentos ricos em glutamina

Os alimentos ricos em glutamina incluem os ovos, iogurtes, salmão, carnes bovinas, leite integral, tofu, grão de bico, lentilha, feijão, espinafre, beterraba, dentre outros.

Glutamina fortalece o sistema imunológico?

Sim, a glutamina tem sido cada vez mais estudada e considerada essencial devido aos seus benefícios que estão associados a melhora na qualidade do sistema imunológico. Associa-se também a redução da dor muscular, melhora a performance, crescimento de massa muscular, integridade da barreira intestinal, energia para células de defesa como os linfócitos e os macrófagos, têm papel fundamental na proliferação de células intestinais, suporte ao sistema imunológico, aumento da produção de glicogênio e efeitos anticatabólicos. Atua como fonte de energia e alimento para as células do intestino, quando o corpo sofre queimaduras, feridas graves, é muito importante que haja quantidades suficientes para atuar no sistema imune para que não ocorra prejuízos a saúde como translocação de bactérias patogênicas do intestino para corrente sanguínea. A glutamina desempenha um papel fundamental também no turnover de proteínas musculares, e nas modulações das vias de sinalização celular, principalmente aquelas relacionadas à expressão de genes envolvidos na regulação de respostas inflamatórias e imunológicas

Cengiz.  et al (2020) investigou o efeito da suplementação de glutamina no tempo de internação, necessidade de unidade de terapia intensiva e mortalidade pela doença do Coronavírus (Covid-19). Foram incluídos 30 pacientes com Covid-19 usando glutamina e 30 pacientes que não usavam, com idade, sexo e condições clínicas semelhantes. Neste estudo puderam observar que a suplementação com a glutamina estimula o sistema imunológico, contribuindo com a inibição das respostas inflamatórias. Esses resultados sugerem que a sua adição no período inicial da infecção por Covid-19 pode contribuir para reduzir o tempo de internação hospitalar e minimizar a necessidade de UTI. Evidências científicas mostram que a suplementação é necessária em pacientes com estresse associado a patologias. O diabetes, por exemplo, é uma doença catabólica com alto estresse oxidativo e muitos estudos mostram que a glutamina neste grupo atua no controle glicêmico por meio da redução da produção de espécies reativas de oxigênio, aumento da secreção de insulina, redução da apoptose das células β pancreáticas e diminuição da expressão de genes associados a vias que causam complicações diabéticas. Ela está associada a um potencial antioxidante intracelular reduzindo o dano celular, os quais podem desempenhar papéis consideráveis na lesão tecidual induzida por hiperglicemia.

Um estudo realizado para determinar se a suplementação de glutamina afeta a glicose no sangue aumentando a sensibilidade à insulina em adolescentes com DM1 mostrou que o suplemento oral atua  diminuindo a glicose no sangue. Embora muitos mecanismos envolvidos precisam ser elucidados, os estudos para explorar o uso potencial da glutamina para melhorar o controle da glicemia são necessários.

Uma pesquisa realizada mostrou que a imobilização por quatorze dias dos membros posteriores reduzem o conteúdo de proteína miofibrilar dos músculos e afetam os níveis plasmáticos e musculares de glutamina. Os músculos desempenham papel fundamental na liberação e estocagem para o corpo, e quando estão em desuso, os níveis se mantêm insuficientes. A suplementação neste caso se mostrou eficaz para manter os níveis adequados de glutamina durante o período de imobilização dos membros contribuindo para uma melhora dos músculos esqueléticos. Ela possui a capacidade de auxiliar na formação de outros aminoácidos, atuando na síntese de proteínas que exerce uma série de funções no organismo.

Como tomar glutamina?

Pode ser encontrada em , sachês ou cápsulas. O pó pode ser adicionado a água filtrada, chás e sucos. Geralmente as doses são de 5g podendo variar de acordo com as necessidades individuais

Glutamina antes ou depois do treino?

Pode ser ingerida em diferentes momentos como antes do café da manhã, pós treino e antes de dormir. É possível adicionar água, suco e vitaminas conforme a orientação do profissional médico ou nutricionista. Escolha os produtos sem corantes e aromatizantes artificiais e que tenha uma ótima matéria prima da Ajinomoto que é reconhecida pelo seu ótimo padrão de qualidade e que são isentos de produtos de origem animal. Os veganos podem fazer uso seguro deste produto, olhe sempre no rótulo dos suplementos. O mercado conta com produtos de ótimas qualidades tanto para os veganos e não veganos.

Glutamina engorda?

A glutamina não engorda, é importante receber orientação de um profissional para adequar as quantidades de acordo com as necessidades individuais. Ao ser transportada para dentro da célula promove a absorção de água, aumentando a hidratação das células e seu volume, e há hipótese de que esse mecanismo atua na síntese de proteínas. O ganho de massa muscular pode representar uma diferença de peso na balança, mas ganhar massa muscular e reduzir o tecido adiposo está associado a benefícios à saúde.

Glutamina probiótico

Uma das funções da glutamina é atuar na integridade da barreira intestinal, fornecendo energia para células de defesa como os linfócitos e os macrófagos. Ela também tem papel fundamental na proliferação de células intestinais, suporte ao sistema imunológico e como fonte de energia e alimento para as células do intestino. A mucosa intestinal possui estratégias, como as barreiras para proteger o organismo de possíveis infecções. Elas evitam a entrada de antígenos externos, e desempenham um papel importante na prevenção da translocação de bactérias evitando as possíveis sepses. Os probióticos auxiliam na manutenção da microbiota intestinal, melhorando a absorção dos nutrientes, digestão e consequentemente contribui para o sistema imunológico. Quando há um desequilíbrio da flora intestinal as bactérias ruins ficam em vantagem e isso desfavorece o sistema imunológico. Um estudo sobre o tratamento com probiótico e glutamina na doença hepática alcoólica mostrou uma melhora nos processos de inflamação e também da microbiota intestinal sendo uma terapia interessante quando utilizada em conjunto.

Glutamina em pó

A glutamina em pós apresenta uma versatilidade muito grande podendo ser adicionados  em água, chás, shots e shakes.

Receita de Shot com glutamina:

Suco de um limão

1\2 colher de chá de gengibre ralado

1 colher de chá de cúrcuma

1 colher de chá de canela em pó

5g de glutamina

1\2 xícara de café de água

Modo de preparo:

Misture muito bem todos os ingredientes e ingira a seguir

Efeitos da glutamina

A glutamina tem apresentado eficácia e indicada para treinos intensos, situações catabólicas e patologias como câncer, diabetes, queimaduras e doenças hepáticas, nestas situações o uso da glutamina tem apresentado efeito potencialmente benéfico.

Glutamina ou BCAA?

A glutamina e o BCAA desempenham importantes funções para recuperação e formação de massa muscular. Esses dois aminoácidos podem ser utilizados em conjunto com orientação de um profissional médico ou nutricionista. O BCAA é um aminoácido de cadeia ramificada formado por leucina, valina e isoleucina. A sua indicação é para antes e depois do treino. Ele atua reduzindo o cansaço, contribui para otimização da imunidade, auxilia na recuperação dos músculos, melhora a síntese proteica, produção de energia, dentre outras funções.

A glutamina como vimos é produzida pelo nosso organismo, mas em situações como a de treinos intensos e patologias é necessário a sua suplementação. Nesses casos a recomendação de ingestão é no pós treino. A glutamina tem como benefício auxiliar no glicogênio muscular, melhora a massa muscular e imunidade, fornece energia para as células e integridade intestinal.

Quem pode tomar glutamina?

A glutamina tem sido indicada para treinos intensos, situações catabólicas e patologias como câncer, diabetes e queimaduras, nesses casos seu uso tem apresentado efeito potencialmente benéfico.

A glutamina não é recomendada para pessoas com problemas renais e hepáticos, crianças, mulheres que amamentam e gestantes. Antes de ingerir suplemento é importante buscar orientação nutricional de um especialista.

Comprar glutamina

A glutamina pode ser adquirida em lojas de produtos naturais, sites, lojas de suplementos e farmácias.

Considerações

A glutamina apesar de ser um aminoácido não essencial em algumas situações como patologias e treinos intensos tem se mostrado potencialmente eficaz. Para os praticantes de atividades físicas mais intensas, este aminoácido também apresenta vantagens, podendo ser utilizado sozinho ou em conjunto com outros. A avaliação de um profissional da saúde habilitado é fundamental para alcançar os objetivos desejados com o uso da glutamina.

 

Referências Bibliográficas

Huang. H et al.Probiotic and glutamine treatments attenuate alcoholic liver disease in a rat model. : Experimental and Therapeutic Medicine. V. 18, n.6, 2019.

Tirapegui. J; Rossi. L. Implicações do Sistema Serotoninérgico no Exercício Físico. Arq Bras Endocrinol Metab vol 48. P. 227-233 nº 2 Abril 2004

Mosca. S.S; Sanches. R. A; Comune.A.C A Importância Dos Antioxidantes Na Neutralização Dos Radicais Livres: Revista Saúde em Foco – Edição nº 9 – Ano: 2017.

Fontana. K E; Valdes. H; Baldissera. V, Glutamina como suplemento ergogênico ,R. bras. Ci. e Mov. Brasília v. 11 n. 3 p. 91-96 jul./set. 2003.

Loiro. M. C; Avelaneda E. F; Glutamina Como Aminoácido  Condicionalmente Essencial Para Aumento Do SISTEMA Imune. Unoesc & Ciência – ACBS Joaçaba, v. 7, n. 2, p. 175-180, jul./dez. 2011.

Alves. C; Lima. R. V. B, Dietary supplement use by adolescents Jornal de Pediatria – Vol. 85, Nº 4, 2009.

Cruzat. V F; Rogero. M.M; Borges. M. C et al. Aspectos atuais sobre estresse oxidativo, exercícios físicos e suplementação Rev Bras Med Esporte _ Vol. 13, p 336-342, Nº 5 – Set/Out, 2007.