Os alimentos orgânicos trazem benefícios que vão muito além do nosso prato. Descubra alguns.

Comer bem vai além de “matar a fome”. Uma alimentação saudável, rica em nutrientes, é fundamental para a saúde humana em todos os aspectos.

Na hora de escolher os alimentos mais saudáveis para nós, vários fatores contam, inclusive a maneira como foram produzidos. Muitos acabam carregando substâncias nocivas, que podem trazer sérios prejuízos à saúde humana no longo prazo.

Nos alimentos industrializados, o problema são corantes, estabilizantes, conservantes e uma série de outros aditivos. Já no caso dos alimentos in natura, como frutas e verduras, estamos falando dos temidos agrotóxicos. Eles são usados para estimular o crescimento e afastar pragas, por exemplo, mas deixam resíduos nos vegetais, que podem fazer muito mal para nosso corpo.

Nos alimentos de origem animal, a situação também é complexa. São usados hormônios e antibióticos para que os animais cresçam mais rápido. e essas substâncias deixam resíduos na carne que será consumida.

Por isso, os alimentos orgânicos têm sido cada vez mais procurados por pessoas que se preocupam com a própria saúde e também com o meio ambiente.  Essa é uma tendência mundial, que se reflete por aqui.  Segundo a Associação de Promoção dos Orgânicos (Organis), no primeiro semestre de 2020, a venda de produtos orgânicos teve crescimento de mais de 50% no Brasil.

Afinal, o que torna um alimento orgânico?

Alimentos orgânicos são produzidos em sistemas agrícolas baseados em processos naturais. Assim, eliminam o uso de agrotóxicos e fertilizantes artificiais na produção e colheita. A produção orgânica usa recursos da própria natureza para chegar a um alimento mais puro e saudável.

Produtos industrializados também podem ser orgânicos, para isso, devem ser livres de conservantes químicos e ter pelo menos 95% de ingredientes de origem orgânica em sua composição. Os outros 5% não podem estar entre os ingredientes proibidos pelas regras da produção orgânica, como  transgênicos, por exemplo. Além disso, o processo de fabricação deve seguir alguns protocolos de sustentabilidade.

Identificando o alimento orgânico na hora da compra

Nos pontos de venda, produtos orgânicos in natura devem estar identificados claramente para que não se confundam com os não orgânicos. Geralmente, supermercados e hortifrútis convencionais têm gôndolas ou prateleiras separados para eles.

Se forem embalados, devem ter o selo Orgânicos Brasil, concedido pelo Sistema de Avaliação de Conformidade Orgânica (SISORG), responsável por credenciar e fiscalizar esses produtos. No caso de alimentos vendidos a granel, a informação deve estar bem visível em alguma placa de identificação.

Principais benefícios do consumo de orgânicos

Optar por alimentos orgânicos tem uma série de vantagens, conheça algumas delas.

Saúde humana:

Alimentos frescos orgânicos possuem menor teor de água em sua composição, quando comparados com alimentos convencionais (20%). Isso significa que os nutrientes estão mais concentrados. As vitaminas também são encontradas em maiores níveis: tomates orgânicos, por exemplo, contêm 23% mais vitamina A do que os convencionais.

Além disso, a ingestão de agrotóxicos está relacionada a risco aumentado para uma série de doenças: problemas neurológicos, deficiência na produção de determinados hormônios,  infertilidade e câncer são algumas delas.

Preservação ambiental:

A produção agrícola orgânica respeita ciclos e sistemas naturais, sem provocar alterações bruscas no ecossistema para aumento de produtividade. Sistemas agroflorestais, sobre os quais já falamos aqui, têm tudo a ver com essa forma de produção. Por não usar agrotóxicos, a agricultura orgânica poupa o solo, a água e a fauna locais de contaminações perigosas.

Bem-estar animal:

A criação orgânica de animais para consumo segue princípios de equilíbrio ecológico, social e produtivo. Dessa forma, o bem-estar animal é considerado: não há utilização de hormônios para crescimento; a alimentação é livre de transgênicos e o tratamento veterinário é feito, preferencialmente, com fitoterápicos. Além disso, os animais não vivem confinados e mantêm hábitos mais próximos de sua vida natural.

Valorização do pequeno produtor:

Grande parte da produção orgânica se concentra na agricultura familiar e colabora com a preservação de valores históricos e culturais de cada região. Muitos desses produtores se organizam em cooperativas para vender seus produtos, o que assegura a eles uma remuneração mais justa por seu trabalho.

Qualidade e sabor:

Livres de substâncias químicas tóxicas, produzidos em solo não contaminado, os alimentos orgânicos apresentam grande qualidade nutricional. Por serem tão naturais, sua aparência não é padronizada, ou seja, podem ter grande variação de cor e tamanho. Isso não afeta em nada seus nutrientes e sabor, que continua uma delícia!

Consumo de orgânicos: ética ambiental e social

Por essas e outras razões, estimular o consumo e o aumento da produção orgânica é estar engajado em uma causa universal: melhorar a qualidade de vida das pessoas e dos animais e preservar o meio ambiente.

Onde encontrar produtos orgânicos?

Hoje em dia, até grandes redes de supermercado oferecem opções de produtos orgânicos. Em várias cidades do país, há feiras livres só de alimentos orgânicos e, mesmo em feiras convencionais, existem barracas de produtos produzidos organicamente.

Você também pode fazer uma assinatura de orgânicos pela internet: há grupos de produtores que se juntam para oferecer produtos de qualidade, e certificados, com entrega direto na casa do consumidor. Existem várias opções de assinaturas, para todas as necessidades.

Para quem tem espaço em casa, uma boa alternativa é fazer uma pequena horta. Há inúmeros tutoriais na internet ensinando como ter uma horta em casa, até mesmo em apartamentos!

Orgânicos são caros: mito ou verdade?

Alimentos orgânicos podem ter preço mais elevado, principalmente pelo fato de a produção ainda ter escala muito menor quando comparada aos alimentos convencionais. Outro fator é que as safras podem ser mais demoradas, já que seguem ciclos naturais, sem agentes estimulantes externos.

Desde que você tenha condições, vale pensar que, ao pagar um pouco mais pelo orgânico, está usando seu dinheiro para estimular um sistema produtivo de alto impacto positivo para todos.

Mas é possível encontrar orgânicos com preços muito bons! Comprar de cooperativas regionais costuma ser uma ótima pedida, com valores bem mais baixos que os dos supermercados.

O futuro é orgânico!

O Brasil conta hoje com 17 mil propriedades certificadas, segundo dados do Sebrae, a maior parte de pequenos produtores. Estima-se que cerca de um milhão de hectares sejam cultivados organicamente no Brasil.

A maior consciência das pessoas sobre os impactos positivos dos orgânicos deve continuar impulsionando mudanças na agricultura convencional. Esperamos que, num futuro breve, todo alimento possa ser produzido com soluções mais adequadas para as pessoas e o planeta.

 

Fontes:

http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/9678/1/TD_2538.pdf

https://www.ecycle.com.br/666-alimentos-organicos

http://planetaorganico.com.br/site/index.php/panorama-geral-os-numeros-da-agricultura-organica-hoje/

http://organis.org.br/wp-content/uploads/2019/05/Pesquisa-Consumo-de-Produtos-Org%C3%A2nicos-no-Brasil.pdf

https://macromixatacado.com.br/leveavida/organicos/alimentos-industrializados-podem-ser-considerados-organicos-

http://g1.globo.com/natureza/blog/nova-etica-social/post/o-uso-abusivo-dos-agrotoxicos-e-o-mal-que-eles-fazem-saude-humana.html

https://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/areas_prioritarias/pantanal/nossas_solucoes_no_pantanal/desenvolvimento_sustentavel_no_pantanal/pecuaria_sustentavel_no_pantanal/pecuaria_organica_no_pantanal/