Ácido araquidônico | Blog Nutrify

Ácido araquidônico [Atualizado em 2022]

O ácido eicosapentaenoico (EPA) e o ácido docosahexaenóico (DHA) são as estrelas do mundo dos ácidos graxos essenciais, e são encontrados principalmente em peixes e frutos do mar. Uma enorme quantidade de pesquisas investigou o impacto desses ácidos graxos na saúde e no desempenho físico, por seu papel benéfico no aumento da força e na síntese de proteína muscular.

Menos pesquisado é o ácido araquidônico (ARA), da família do ômega-6, que o corpo sintetiza a partir do ácido linoleico, através da dieta à base de plantas, e é encontrado em nozes, sementes e seus óleos. Também pode ser obtido a partir de carnes e ovos, embora em pequenas quantidades.

Apesar de sua presença menos conhecida no mundo da nutrição, o ARA é um ácido graxo incrivelmente importante e proeminente nas membranas celulares. É encontrado em um nível comparável ao do DHA nas membranas neuronais, incluindo no cérebro, onde compreende 10-12% do total de ácidos graxos. No músculo esquelético, o ARA foi encontrado para perfazer 15-17% do total de ácidos graxos.

O corpo depende do ARA para a inflamação, uma resposta imune normal e necessária para reparar o tecido danificado. Especificamente, o ARA é precursor de vários leucotrienos, prostaglandinas e tromboxanos, conhecidos coletivamente como eicosanóides. Embora a maioria dos eicosanóides derivados de ARA atuem para promover a inflamação, alguns também atuam para resolvê-la (isto é, são anti-inflamatórios).

Os cientistas levantam a hipótese de que o ARA desempenha um papel central na resposta adaptativa ao treinamento de força. Afinal, o treinamento de força causa uma resposta inflamatória aguda necessária para construir músculos maiores. Por exemplo, duas prostaglandinas produzidas a partir de ARA são PGE 2 e PGF. Estudos em tubo de ensaio realizados com fibras musculares esqueléticas indicam que a PGE 2 aumenta a degradação de proteínas, enquanto a PGF estimula a síntese de proteínas. Outros estudos em tubo de ensaio também descobriram que a PGF aumenta o crescimento da fibra muscular esquelética.

Pesquisas em adultos jovens mostraram que o consumo de anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs) após o exercício diminui o aumento normal na síntese de proteína muscular através da supressão do aumento normal da PGF. Em contraste, a administração de AINEs em adultos mais velhos demonstrou melhorar ganhos de força e tamanho em resposta ao treinamento de resistência, suprimindo outras formas de inflamação, além da benéfica PGF. Independentemente do resultado, essa pesquisa indica claramente um papel das prostaglandinas derivadas de ARA na resposta adaptativa ao exercício.

Ácido araquidônico | Blog Nutrify

Estudo

Um ensaio clínico duplo-cego, randomizado, controlado por placebo de oito semanas envolvendo 30 homens jovens saudáveis, ​​com um mínimo de dois anos de experiência em treinamento de força. Cada participante foi designado aleatoriamente para consumir dois géis contendo 1,5 gramas no total de ARA ou placebo (óleo de milho). As instruções foram dadas para manter os hábitos alimentares usuais e consumir os géis cerca de 45 minutos antes das sessões de treinamento, ou sempre que conveniente em dias sem treinamento. A adesão por meio da contagem de comprimidos foi superior a 99% em ambos os grupos. O programa de treinamento de força supervisionado foi realizado três vezes por semana em dias alternados.

Antes e cerca de 48 horas após a última sessão de treinamento, os participantes foram avaliados quanto à composição corporal por meio de varredura DXA, espessura do músculo vasto lateral (um músculo do quadríceps), força muscular (um rep-max supino e leg press) e potência muscular (teste de Wingate em cicloergômetro).

A fase 2 desse estudo foi um experimento de oito dias, envolvendo ratos alimentados uma vez por dia, com 1,2 mililitros de água da torneira ou 44 miligramas de ARA dissolvido em 1 mililitro de água da torneira. Essa dose de ARA é aproximadamente igual à usada na fase 1 com base. Após oito dias, os ratos foram submetidos à estimulação elétrica de uma de suas patas traseiras para simular estímulo de treinamento de força agudo.

Descobertas

A suplementação com ARA levou a aumentos significativamente maiores na massa corporal magra, 1RM no supino e potência de saída do que o placebo. O experimento com ratos mostrou que o ARA levou a uma redução significativa na ativação de AMPK e GSK-3β quando o ARA foi combinado com exercício, em comparação com os outros grupos. Outros marcadores de anabolismo e catabolismo não foram afetados pelo tratamento com ARA, embora tenham sido afetados pelo exercício.

O experimento com ratos revelou inúmeras mudanças significativas, desde a linha de base nas vias de sinalização anabólica e catabólica, síntese de proteínas musculares, expressão de genes inflamatórios e expressão de genes no tecido muscular. No entanto, apenas dois deles foram significativamente diferentes entre os grupos ARA e controle. O primeiro foi uma redução significativamente maior na ativação da AMPK quando o ARA foi combinado com exercícios, em comparação com os outros três grupos. O segundo foi uma ativação significativamente maior de GSK-3β (glicogênio sintase quinase 3 beta) no grupo ARA de perna não exercitada, bem como uma redução significativamente maior de GSK-3β após o exercício.

Ácido araquidônico | Blog Nutrify

O que o estudo conclui?

As principais descobertas desse estudo foram que oito semanas de suplementação de ARA, em combinação com um programa de treinamento de resistência, levam a aumentos significativamente maiores na massa corporal magra, força no supino e produção de força muscular do que o placebo em homens jovens treinados.

O único outro estudo, até o momento, investigando o efeito da suplementação de ARA em homens jovens treinados em resistência, descobriu que consumir um grama por dia de ARA aumentou significativamente a potência de pico do Wingate em cerca de 13%, em comparação com o placebo, mas não teve efeito nas mudanças na composição corporal ou força. Existem diferenças metodológicas importantes, entre esse e o estudo atual, que podem explicar porque nenhum efeito na força e na composição corporal foi observado.

A produção de força muscular pareceu se beneficiar da suplementação de ARA na pesquisa atual e anterior. O mecanismo para esse achado ainda precisa ser determinado. É possível que o ARA modifique a sinalização neuromuscular por meio de sua incorporação nas membranas celulares, semelhante ao EPA e ao DHA.

Pesquisas futuras serão necessárias para investigar se 1,5 grama por dia de ARA também traz benefícios, quando os participantes são conhecidos por consumirem proteína adequada, e se submeterem a um programa de treinamento de resistência periodizado, projetado para promover o crescimento muscular.

Conheça a Nutrify | Blog Nutrify

Em suma, esse estudo nos diz que homens jovens, com experiência em treinamento de resistência, podem se beneficiar da suplementação de ARA por meio do aumento da massa corporal magra, força muscular e potência muscular. No entanto, com apenas um único estudo conduzido até o momento investigando esses resultados, com relação à suplementação de ARA, é difícil tirar conclusões firmes, especialmente porque o outro estudo encontrou um benefício apenas para a potência muscular, e não para a composição corporal ou força muscular.

A dose de ARA usada no estudo atual está bem acima do que qualquer um poderia esperar consumir naturalmente na dieta. As evidências que ligam as doenças inflamatórias a um aumento da proporção de ômega-6 para ômega-3 aumentam a preocupação sobre os efeitos de longo prazo da suplementação de ARA. No entanto, evidências limitadas mostraram que a suplementação de ARA beneficia a cognição de indivíduos idosos, apesar de uma plausibilidade hipotética para aumentar o risco de doença de Alzheimer. Claramente, pesquisas de longo prazo sobre os diferentes resultados de saúde são necessárias.

Referências

Andersson A, Sjödin A, Hedman A, Olsson R, Vessby B. Fatty acid profile of skeletal muscle phospholipids in trained and untrained young men. Am J Physiol Endocrinol Metab. 2000 Oct;279(4):E744-51. doi: 10.1152/ajpendo.2000.279.4. E744. PMID: 11001754.

Makrides M, Neumann MA, Byard RW, Simmer K, Gibson RA. Fatty acid composition of brain, retina, and erythrocytes in breast- and formula-fed infants. Am J Clin Nutr. 1994 Aug;60(2):189-94. doi: 10.1093/ajcn/60.2.189. PMID: 7913291.

Smith GI, Atherton P, Reeds DN, Mohammed BS, Rankin D, Rennie MJ, Mittendorfer B. Omega-3 polyunsaturated fatty acids augment the muscle protein anabolic response to hyperinsulinaemia-hyperaminoacidaemia in healthy young and middle-aged men and women. Clin Sci (Lond). 2011 Sep;121(6):267-78. doi: 10.1042/CS20100597. PMID: 21501117; PMCID: PMC3499967.

Calle MC, Fernandez ML. Effects of resistance training on the inflammatory response. Nutr Res Pract. 2010 Aug;4(4):259-69. doi: 10.4162/nrp.2010.4.4.259. Epub 2010 Aug 31. PMID: 20827340; PMCID: PMC2933442.

Horsley V, Pavlath GK. Prostaglandin F2(alpha) stimulates growth of skeletal muscle cells via an NFATC2-dependent pathway. J Cell Biol. 2003 Apr 14;161(1):111-8. doi: 10.1083/jcb.200208085. PMID: 12695501; PMCID: PMC2172881.

Trappe TA, White F, Lambert CP, Cesar D, Hellerstein M, Evans WJ. Effect of ibuprofen and acetaminophen on postexercise muscle protein synthesis. Am J Physiol Endocrinol Metab. 2002 Mar;282(3):E551-6. doi: 10.1152/ajpendo.00352.2001. PMID: 11832356.

Trappe TA, Fluckey JD, White F, Lambert CP, Evans WJ. Skeletal muscle PGF(2)(alpha) and PGE(2) in response to eccentric resistance exercise: influence of ibuprofen acetaminophen. J Clin Endocrinol Metab. 2001 Oct;86(10):5067-70. doi: 10.1210/jcem.86.10.7928. PMID: 11600586.

Kusumoto A, Ishikura Y, Kawashima H, Kiso Y, Takai S, Miyazaki M. Effects of arachidonate-enriched triacylglycerol supplementation on serum fatty acids and platelet aggregation in healthy male subjects with a fish diet. Br J Nutr. 2007 Sep;98(3):626-35. doi: 10.1017/S0007114507734566. Epub 2007 Apr 20. PMID: 17445350.

Pérez-Chacón G, Astudillo AM, Balgoma D, Balboa MA, Balsinde J. Control of free arachidonic acid levels by phospholipases A2 and lysophospholipid acyltransferases. Biochim Biophys Acta. 2009 Dec;1791(12):1103-13. doi: 10.1016/j.bbalip.2009.08.007. Epub 2009 Aug 26. PMID: 19715771.

Roberts MD, Iosia M, Kerksick CM, Taylor LW, Campbell B, Wilborn CD, Harvey T, Cooke M, Rasmussen C, Greenwood M, Wilson R, Jitomir J, Willoughby D, Kreider RB. Effects of arachidonic acid supplementation on training adaptations in resistance-trained males. J Int Soc Sports Nutr. 2007 Nov 28; 4:21. doi: 10.1186/1550-2783-4-21. PMID: 18045476; PMCID: PMC2217562.

Souza Eduardo, Lowery Ryan, Wilson Jacob. Effects of Arachidonic Acid Supplementation on Acute Anabolic Signaling and Chronic Functional Performance and Body Composition Adaptations, Plos One, 2016 May, doi: 10.1371/jornal.pone – 0155153

Rolar para cima