O uso do colágeno hidrolisado no processo de emagrecimento

Nos últimos anos, os números de obesidade e sobrepeso aumentaram de forma significativa, e em paralelo a isso há também uma maior preocupação em busca de um corpo bonito esteticamente. Entretanto, é necessário que haja a união da nutrição com a estética, aliando bem-estar, saúde e autoestima. Um emagrecimento saudável e contínuo é fundamental para amenizar problemas adversos, comuns em um processo de emagrecimento, como a flacidez, que é causada pela ruptura das fibras de colágeno e elastina da pele.

Diante disso, cada vez mais, a nutrição estética vem ganhando espaço no cenário da saúde, voltada para a implementação de um cuidado nutricional que, além dos requisitos fundamentais da dietética e da dietoterapia aplicados à prevenção ou ao tratamento de doenças crônicas não transmissíveis, atenda também à “necessidades estéticas” dos pacientes1.

Nutrientes e impacto nos efeitos cutâneos

Há muito tempo relatam-se a influência de nutrientes no metabolismo cutâneo e seus potenciais efeitos na prevenção, ou até mesmo melhora dos sinais do envelhecimento da pele. No entanto, ao longo dos últimos 10 anos, na era conhecida como pós-genoma humano, as pesquisas nessa área foram intensificadas expressivamente, comprovando a capacidade que não só os nutrientes, mas também compostos bioativos dos alimentos têm de modular as funções celulares e moleculares da pele. Um desses compostos é o colágeno hidrolisado, que vem sendo estudado nos últimos anos e tem apresentado efeitos funcionais e benéficos na pele2,3,4.

Sabendo que durante um processo de emagrecimento ocorre uma mudança significativa de massa corporal e densidade da pele, o presente artigo salienta que a suplementação de colágeno hidrolisado, aliado a adoção de condutas nutricionais equilibradas e constantes, permitindo que o corpo passe por todo o processo de adaptação, pode ser uma ferramenta nutricional promissora, levando a uma maior eficácia em tratamentos para flacidez durante processos de emagrecimento.

O excesso de peso é um problema atual de saúde pública, em 2018, no Brasil, os dados apontaram que o crescimento da obesidade foi maior entre os adultos de 25 a 34 anos e 35 a 44 anos, com 84,2% e 81,1%, respectivamente5. Para mudar esse cenário, é muito importante um acompanhamento nutricional especializado, a fim de promover um emagrecimento lento, saudável e contínuo, buscando amenizar ao máximo efeitos ruins como a flacidez, já que o emagrecimento mais controlado permite uma melhor readaptação da pele.

A estrutura da pele é formada por camadas: a epiderme, a derme e a hipoderme6,7. A integridade dessa estrutura é constituída principalmente por colágeno, sendo que esse é a principal proteína fibrosa insolúvel presente no tecido conjuntivo e na matriz extracelular dérmica, o qual tem como função fornecer à pele força e resistência. É produzido a partir de precursores (pró-colágeno), expressos por meio da codificação de genes a partir de fibroblastos dérmicos8. Segundo Gerson et al (2011)9, o colágeno é uma substância proteica que dá força a pele e é fundamental no processo cicatricial, e a elastina é a proteína que forma o tecido elástico e fornece elasticidade à pele.

A perda de densidade e espessura dérmica, caracterizada por flacidez e afinamento cutâneo, é uma “sequela” causada por vários episódios ocorridos ao longo dos anos como a inatividade física, o emagrecimento rápido, o envelhecimento, entre outros, levando a ruptura das fibras colágenas. Nesses casos a musculatura perde a tonicidade e, sem contornos definidos, as fibras musculares tornam-se atrofiadas e flácidas10,11,12.

Atualmente, o interesse é crescente no uso de suplementos alimentares devido aos seus efeitos benéficos para a saúde da pele. Os estudos que vêm sendo feitos nos últimos anos, em relação ao colágeno, têm apresentado efeitos funcionais e benéficos na pele. Há um consenso de que os efeitos biológicos promovidos pelo colágeno estão relacionados com a ingestão de sua forma hidrolisada. A hidrólise enzimática dá origem a peptídeos de colágeno biologicamente ativos, que têm demonstrado diversos efeitos positivos2.

Os estudos em relação ao uso do colágeno hidrolisado como suplemento alimentar vêm de longa data, e ele tem sido considerado fonte promissora de peptídeos com atividade biológica. Há anos esses estudos vêm mostrando a bioatividade do CH e de seus peptídeos derivados, incluindo atividade antioxidante, anti-hipertensiva e potencial de estimular o metabolismo de diferentes tecidos conjuntivos como cartilagem, ossos e conjuntivo da pele2.

Do termo Kolla (cola) e Genno (produção) origina-se a palavra “colágeno”. Ele é definido como uma proteína fibrosa que apresenta cadeias peptídicas de aminoácidos, como a glicina, prolina, lisina, hidroxilisina, hidroxiprolina e alanina. Essa cadeia é determinada de maneira paralela a um eixo, formando as fibras de colágeno que garantem firmeza e elasticidade à estrutura existente. É encontrado no corpo humano como em: ossos, tendões, cartilagem, veias, dentes, músculos e pele. Suas diversas funções englobam manter as células dos tecidos justapostas e fortalecidas, sendo também encarregado de fazer a regeneração e a cicatrização em casos de danos ao tecido, contribui com a hidratação corporal e possui uma alta elasticidade2,13,14,15.

A ingestão do colágeno hidrolisado contribui para suprir os efeitos negativos da diminuição dos aminoácidos na derme, trazendo benefícios contidos nesta proteína para melhora e retardo do desgaste tecidual, restaurando a firmeza cutânea e auxiliando nos tratamentos estéticos2,16,17.

Na Tabela 1 são apresentados os resultados de dois trabalhos interessantes. Em ambos os estudos, a suplementação com colágeno hidrolisado mostrou-se eficaz:

O uso do colágeno hidrolisado no processo de emagrecimento | Blog Nutrify

O uso do colágeno hidrolisado no processo de emagrecimento | Blog Nutrify

Tabela 1 – Resultados de estudos feitos por alguns autores em relação aos benefícios do colágeno hidrolisado. Fonte: ADDOR, 2015; ZAGUE et al., 2011.

Considerações finais

De acordo com resultados de alguns estudos e levando em consideração que em um processo de emagrecimento podem ocorrer rupturas das fibras de colágeno e elastina, levando à flacidez tecidual, podendo esta ser agravada de acordo com a rapidez em que esse emagrecimento acontece, concluiu-se que a suplementação com colágeno hidrolisado (CH), pode sim ser benéfica em relação à melhora ou prevenção de quadros de flacidez, seja facial ou corporal. Entretanto, vale salientar que para um resultado mais satisfatório, é indispensável uma alimentação saudável e equilibrada de acordo com cada indivíduo. Além disso, são necessários também mais estudos sobre o assunto, para reforçar a confirmação dos benefícios da suplementação de colágeno hidrolisado.

REFERÊNCIAS

  1. SCHNEIDER, A. P. Nutrição Estética. Rio de janeiro. Atheneu, 2009.
  2. ZAGUE, V.; MACHADO-SANTELLI, G. M. Bases Científicas dos Efeitos da Suplementação Oral com Colágeno Hidrolisado na Pele:  Scientific Bases of Collagen Hydrolysate Oral Supplementation Effects on Skin. 2016. 7 f. Tese (Doutorado) – Curso de Nutrição Funcional, 2016
  3. SUBBIAH, M.T. Application of nutrigenomics in skin health: nutraceutical or cosmeceutical? J Clin Aesthet Dermatol; 3 (11): 44-6, 2010.
  4. BOUILLY-GAUTHIER, D.; JEANNES, C.; MAUBERT, Y. et al. Clinical evidence of benefits of a dietary supplement containing probiotic and carotenoids on ultraviolet-induced skin damage. Br J Dermatol; 163 (3): 536-43, 2010.
  5. BRASIL. Ministério da Saúde. Brasileiros atingem maior índice de obesidade nos últimos treze anos. Publicado em 25 de julho de 2019.
  6. BOMBANA, V.B.; ZANARDO, V.P.S. Uso do colágeno hidrolisado na prevenção do envelhecimento cutâneo. Hydrolyzed collagen use in skin aging prevention. PERSPECTIVA, Erechim. v. 43, n.161,  p. 101-110, março/2019
  7. JUNQUEIRA, L.C.; CARNEIRO, J. Histologia básica. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.
  8. POON, F.; KANG, S.; CHIEN, A. L. Mechanisms and treatments of photoaging. Photodermatology, Photoimmunology & Photomedicine, v. 31, n. 2, p. 65-74, 2015.
  9.  GERSON, Joel. et al. Fundamentos da Estética 3: Ciência da pele. 10. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2011.
  10. ADDOR, F. A. S. Influência de um suplemento nutricional  com peptídeos de colágeno nas propriedades da derme. Surgical & Cosmetic Dermatology, vol. 7, núm. 2, 2015, pp. 116-121 Sociedade Brasileira de Dermatologia Rio de Janeiro, Brasil
  11. LIMA, E.P.F; RODRIGUES G.B.O. A estimulação russa no fortalecimento da musculatura abdominal. Russian stimulation in strengthening abdominal muscle. Artigo de revisão. Fortaleza. ABCD Arq Bras Cir Dig, 2012.
  12. GUIRRO E, GUIRRO R. Fisioterapia dermato-funcional: fundamentos, recursos, patologias. 3.ed. São Paulo: Manole, 2004.
  13. OLIVEIRA, V. M.; CUNHA, M. N. C.; NASCIMENTO; T. P. Colágeno: características gerais e produção de peptídeos bioativos. 2017. 13 f. TCC (Graduação) – Curso de Ciência e Tecnologia, Universidade Federal Rural de Pernambuco – Ufrpe, Pernambuco, 2017.
  14. TASSINARY, João. (2019). Raciocínio clínico aplicado á estética facial. Ed. Estética experts. 32-42 p.
  15. LOPES, A.L.C; MARQUES, J.Q; SILVA, D.P.Colágeno hidrolisado no combate ao envelhecimento cutâneo. Artigo original. Revista Saúde em Foco. Ed.(11), 2019 .
  16. PRESTES et al. Caracterização da fibra de colágeno, gelatina e colágeno hidrolisado. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais. v. 15, n. 4, p. 375-382, 2013.
  17. MARTINS, F. I.; MENEZES, T. N.; MAGALHÃES, M.  A. Colágeno hidrolisado: Benefícios do uso oral. 2018. 1 f. Tese (Doutorado) – Curso de Curso de Farmácia, Centro Universitário Católica de Queixada, Queixada, 2018.
  18. ZAGUE, V.; FREITAS, V.; ROSA, M. C.; CASTRO, G.A.; JAEGER, R.G.; SANTELLI, G. M. M. Collagen Hydrolysate Intake Increases Skin Collagen Expression and Suppresses Matrix Metalloproteinase 2 Activity, v. 14, n. 6, p. 618-624, 2011.

Yanna Lívia Forte Ferreira – CRN:31309

Instagram: @yannafferreira.nutri

Pós-graduanda em Nutrição Esportiva e Estética

Rolar para cima